Novo marco legal do transporte ferroviário é sancionado

Lei busca facilitar investimentos privados

Foto: Ricardo Botelho/Ministério da Infraestrutura

O presidente Jair Bolsonaro sancionou com vetos, na quinta-feira (23), o novo marco legal do transporte ferroviário. A lei busca facilitar investimentos privados na construção de novas ferrovias, no aproveitamento de trechos ociosos e na prestação do serviço de transporte ferroviário.

A medida permitirá a construção de novas ferrovias por autorização, como ocorre na exploração de infraestrutura em setores como telecomunicações, energia elétrica e portuário. Também poderá ser autorizada a exploração de trechos não implantados, ociosos ou em processo de devolução ou desativação.

De acordo com governo federal, o dispositivo sancionado simplifica o procedimento para prestar serviço de transporte que não envolva exploração da infraestrutura. Dessa forma, bastará ao agente transportador ferroviário de cargas ou passageiros a inscrição válida em registro junto ao regulador ferroviário.

Ferrovias públicas

O novo marco legal vai facilitar a devolução de trechos que não sejam de interesse do concessionário para que possam ser repassados a terceiros interessados em obter autorização para exploração do serviço.

A nova legislação permite também o investimento de terceiros em ferrovias concedidas, mediante previsão das figuras do “Usuário Investidor e do Investidor Associado”, que poderão firmar contratos com as concessionárias sem a necessidade de qualquer autorização prévia ou procedimento burocrático junto ao órgão regulador.

A partir de agora, as administradoras ferroviárias poderão se associar para criar uma entidade autorregulatória, que estabelecerá padrões técnico-operacionais sem ingerência do Estado, que se limitará a regular questões de segurança e situações pontuais.

Vetos

Com a justificativa de que a legislação tem objetivo de desburocratização, Bolsonaro vetou exigências documentais reputadas como não essenciais à obtenção das autorizações e vetou dispositivo que estabelecia preferência para as atuais concessionárias na obtenção de autorizações em sua área de influência.

“O tratamento diferenciado para as atuais operadoras dificultaria a entrada de novos prestadores e, por consequência, reduziria a concorrência no setor. Além disso, essa regra representaria ofensa à isonomia entre os atuais concessionários e potenciais novos entrantes no mercado”, justificou o governo.

Com informações da Agência Brasil.


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 16.fev.2022 às 07h25
TCU aprova privatização da Eletrobras com outorga de R$ 23,2 bilhões

Processo segue mesmo após ministro apontar erro que elevaria o valor da companhia para R$ 57,2 bilhões

Valor Econômico Publicado em 11.fev.2022 às 07h37
Privatização do Porto de Santos prevê R$ 18 bi de investimentos

Do valor total, apenas R$ 1,4 bilhão será destinado a obras na estrutura; a maior parte dos recursos se refere a dragagem

Valor Econômico Publicado em 11.fev.2022 às 07h32
Com devolução de concessão, Galeão e Santos Dumont serão licitados juntos

Segundo o ministro Tarcísio de Freitas, a elaboração de estudos para licitar isoladamente o aeroporto de Santos Dumont “não faz mais sentido”

Valor Econômico Atualizado em 08.fev.2022 às 08h12
Frente parlamentar pede para TCU investigar impacto econômico da privatização da Eletrobras

Conforme revelou o Valor, um erro metodológico identificado nos estudos técnicos teria gerado uma subavaliação "gigantesca" no valor da outorga que deverá ser paga ao governo pelos novos donos da empresa

Valor Econômico Publicado em 21.jan.2022 às 07h41
Eletrobras dá novo passo rumo à privatização

Estatal convoca para 22 de fevereiro assembleia de acionistas para analisar capitalização

Valor Econômico Publicado em 10.jan.2022 às 08h16
Energia atrai bilhões e pode ter privatização da Eletrobras

Recursos vão para modernização de redes, conclusão dos projetos e ampliação de geração renovável e térmica