IF HOJE: IGP-10 tem forte desaceleração em maio com alívio de commodities

Índice variou 0,40% no mês, após alta de 2,48% em abril

Foto: Edilson Dantas/Agência O Globo

O FGV Ibre (Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas) informou nesta terça-feira (17) que o IGP-10 (Índice Geral de Preços – 10) variou 0,10% em maio. No mês anterior, o índice havia registrado alta de 2,48%. Com esse resultado, o índice acumula alta de 7,73% no ano e de 12,13% em 12 meses. Em maio de 2021, o índice subira 3,24% no mês e acumulava elevação de 35,91% em 12 meses.

“A queda verificada entre abril e maio nos preços de grandes commodities agrícolas (de 0,23% para -1,72%) e minerais (de 0,77% para -3,17%) contribuiu para a queda da inflação ao produtor. O recuo dos preços das commodities já influencia a taxa em 12 meses do grupo matérias-primas brutas (-2,77%)”, destacou André Braz, coordenador dos Índices de Preços. “Ainda ao produtor, as taxas de variação dos bens intermediários (de 4,26% para 0,89%) e dos bens finais (de 4,07% para 1,12%) também apresentaram desaceleração, mas a variação acumulada em 12 meses para estes estágios de processamento se mantem em patamar muito elevado, 25,70% e 19,49%, nesta ordem, o que sustenta repasses que chegam gradualmente ao varejo”, acescentou.

Por que importa?

O IGP-10 mede grande parte da alta das commodities e pode sinalizar quais aumentos de preços tendem a ser repassados para o consumidor. Além disso, é um dos primeiros indicadores mensais sobre a alta dos preços no Brasil e funciona como uma prévia da inflação oficial.

Como impacta seus investimentos?

A desaceleração do IGP-10 deve fazer com que o mercado financeiro estabilize a precificação dos juros futuros para conter a inflação, o que pode passar a desfavorecer produtos de renda fixa pós-fixados e beneficiar ativos prefixados.

Fique por dentro:

Turquia diz que não aprova entrada de Finlândia e Suécia na Otan

O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, disse que não vai aprovar a entrada de Suécia e Finlândia na Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), e que os países não devem se preocupar em tentar mudar a posição da Turquia após anúncio de que vão enviar uma delegação para a Ancara a fim de tentar convencer o governo turco a apoiar suas entradas na Otan.

Suécia e Finlândia já indicaram que pretendem ingressar na aliança militar, que tem os Estados Unidos como sua principal liderança, em meio à invasão russa do território da Ucrânia. Nesta terça (17), a guerra da Rússia entrou em seu 83º dia.

Presidente da Rússia ameaça com ‘resposta’ se Finlândia e Suécia entrarem na Otan

O presidente russo, Vladimir Putin, disse nesta segunda-feira (16) que haverá uma “resposta” caso a Finlândia e a Suécia entrem na Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte). “A expansão da infraestrutura militar para este território certamente causará nossa resposta”, disse Putin, segundo a agência russa Tass. “Vamos analisar o que será [a resposta] com base nas ameaças que serão criadas para nós.”

Covid em alta

A cidade de Nova York se prepara para atingir um alto nível de transmissão de covid-19 nos próximos dias, o que pode levar à volta do requisito de máscara em locais públicos fechados. Novos casos nos últimos sete dias ultrapassaram a marca de 300 por 100.000 habitantes. Há um mês, a taxa de toda a cidade era inferior a 200 por 100.000 habitantes. Cerca de 8% das pessoas testadas nos últimos sete dias deram positivo.

Na Argentina, o número de casos de covid-19 quase dobrou em uma semana. Segundo o Ministério da Saúde local, o país teve 33.989 novos casos da doença na última semana, número 92,6% maior do que o da semana anterior, quando foram registrados 17.646 novos casos. O aumento é ainda maior no recorte de quatro semanas, quando os casos passaram de 8.387 para 33.989, um aumento de 305,2% desde o dia 17 de abril. Apesar do crescimento no número de casos, as mortes e internações pela doença continuam proporcionalmente baixas, com a taxa de mortalidade no país em 0,14%.

Já o Brasil registrou 89 mortes por covid-19 nas últimas 24 horas, segundo o levantamento do consórcio de veículos de imprensa feito junto às secretarias estaduais de Saúde, nesta segunda-feira (16). Com isso, o total de óbitos pelo novo coronavírus subiu para 665.056. A média móvel de mortes nos últimos sete dias é de 115 por dia, um recuo de 2% em relação aos óbitos registrados em 14 dias, indicando tendência de estabilidade do dado.

Para acompanhar hoje:

8h: IGP-10 de maio
8h: monitor do PIB de março
9h: discurso de James Bullard, presidente do Fed de St. Louis
9h30: vendas no varejo dos EUA em abril
10h15: produção industrial dos EUA em abril
11h: estoques das empresas americanas em março
11h: índice de confiança do construtor americano em maio (NAHB)
15h30: discurso de Loretta Mester, presidente do Fed de Cleveland
19h45: discurso de Charles Evans, presidente do Fed de Chicago
20h50: PIB preliminar do Japão no primeiro trimestre de 2022

(Com Valor Econômico)


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 24.jun.2022 às 12h53
Inflação e baixa renda inibem recuperação do consumo no Brasil

Indicador da FGV mostrou uma melhora da confiança entre as faixas de maior poder aquisitivo

Redação IF Atualizado em 24.jun.2022 às 10h40
Com alta nos planos de saúde, IPCA-15 de junho fica em 0,69%

No acumulado deste ano, a prévia da inflação oficial ficou em 5,65%