BNP Paribas: inflação deve fechar 2022 em 10%, com pressão maior de alimentos e combustível

Impacto dos preços também tende a ser mais duradouro, avalia o banco

(Foto: Pixabay)

O BNP Paribas revisou suas projeções para IPCA de 8,5% para 10% em 2022 e de 4,5% para 5% em 2023. “Esperamos pressão dos mesmos setores, mas com impacto mais forte e duradouro”, escrevem a economista para Brasil, Laiz Carvalho, e o chefe de pesquisa para América Latina, Gustavo Arruda, em relatório.

Eles listam quatro principais vetores. Alimentos terão a maior variação de preços em 2022, dizem, esperando um aumento de 17%, ante 13,8% da projeção anterior. Com custos mais altos e estoques globais pequenos, os preços dos alimentos devem voltar a atingir o pico, afetando cereais e proteínas.

“À medida que o conflito Ucrânia-Rússia continua, o mundo enfrentará uma menor produção global de trigo e altos preços de fertilizantes. Além disso, as condições climáticas nos EUA colocaram sua colheita de milho em risco, deixando todos os olhos no Brasil e na Argentina”, afirmam Carvalho e Arruda.

Em combustível, agora o BNP Paribas espera um aumento adicional de 15% nos próximos meses, conforme a diferença entre os preços internacionais e locais avança.

A equipe do banco também diz não esperar uma normalização completa das cadeias globais de suprimentos, especificamente do setor de semicondutores, antes do fim do ano. “O aumento global do preço do frete também ainda não foi totalmente incorporado aos preços ao consumidor”, afirmam.

Além disso, a economia do Brasil deve ter desempenho melhor do que o esperado no primeiro semestre de 2022, e com a liberação do FGTS, a antecipação do 13º e números ainda robustos do mercado de trabalho, dizem, “o serviço provavelmente repassará para os preços as expectativas de inflação não ancoradas”.

Carvalho e Arruda dizem que vão esperar a comunicação do Banco Central, cujo Comitê de Política Monetária (Copom) começa a se reunir hoje, para calibrar previsões de taxa de juros em 2022 e 2023. Por enquanto, elas foram mantidas em 14,25% e 10,5%, respectivamente.

Com conteúdo VALOR PRO, o serviço de informação em tempo real do Valor Econômico


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 17.maio.2022 às 07h26
Freio na economia chinesa deve fazer Brasil crescer menos

Analistas projetam expansão menor em 2023 e inflação global maior, também devido à guerra na Ucrânia e à alta de juros nos EUA

Redação IF Publicado em 16.maio.2022 às 12h23
Sondagem da XP vê inflação no fim de 2022 maior do que projeção do último Focus

Divulgação do relatório do Banco Central está paralisada por causa da greve dos servidores

Manhã Inteligente Publicado em 12.maio.2022 às 12h36
Tesouro Direto em alta, corte nas tarifas de alimentos, Nubank compra criptomoedas

Isabella Carvalho e Caio Camargo falam sobre os assuntos que vão afetar seus investimentos hoje

Redação IF Publicado em 11.maio.2022 às 14h36
Redação IF Publicado em 11.maio.2022 às 10h10
Energia elétrica ajudou a frear IPCA de abril

Movimento foi influenciado pela mudança na bandeira tarifária