Por que investir no Nubank agora? Veja a resposta do BB-BI

Banco listou os motivos e os riscos de ter ações ou BDRs do roxinho neste momento; relatório trata até de polêmicas

O BB Investimentos (BB-BI) iniciou a cobertura de Nubank com recomendação de compra para as ações e os BDRs. Sendo que preço-alvo foi determinado em US$ 15,60 para os papéis negociados na bolsa de Nova York (NU). E de R$ 13,30 para os títulos vendidos na B3 (ROXO34). Os valores têm potencial de alta acima de 30% em relação aos preços atuais dos respectivos ativos.

Entre os pontos positivos da atuação do Nubank, o BB-BI destaca a inovação tecnológica e os baixos custos operacionais. Bem como o foco nos principais produtos, o crescimento rápido e a base de clientes, além de um marca forte e lealdade do cliente.

“A marca Nubank é bem reconhecida e respeitada, especialmente entre os jovens, público que os bancos tradicionais têm dificuldade em cativar”, diz o banco.

No lado negativo, o BB-BI anota que a maior parte da receita do Nubank ainda vem da modalidade cartão de crédito. E menciona ainda os desafios regulatórios e a maturidade ainda não atingida.

“Operar em vários países significa enfrentar diferentes ambientes regulatórios. O que pode aumentar os custos e complexidade de conformidade”, frisa o banco.

“Embora tenha crescido rapidamente, o Nubank ainda não atingiu a lucratividade esperada em muitos de seus mercados”, acrescenta a instituição.

NU; ROXO34

Adiante no relatório, o BB Investimentos lista os motivos para ter os papéis do Nubank na carteira. O banco vê como pontos positivos da tese de investimento a expansão internacional, as parcerias estratégicas e o desenvolvimento de novos produtos. A maturidade do cliente também figura entre os fatores para a recomendação de compra.

“Imaginamos que quanto mais os clientes experimentarem e aprovarem a plataforma, mais propensos ficam em transferirem sua principalidade para o Nubank. O que inevitavelmente significa mais receitas potenciais por cliente.”

Naturalmente, no lado dos riscos, o BB-BI aponta a concorrência no setor financeiro e as ameaças de segurança cibernética e fraudes. As incertezas econômicas e câmbio também estão entre os pontos de alerta.

“Por ser um banco cujas atividades ocorrem principalmente no Brasil, mas possui como moeda funcional o dólar, a variância dos resultados detêm ainda mais volatilidade.”

‘Cancelamento virtual’

Então, o BB-BI revela que incluiu um novo risco para as ações do Nubank: o de imagem. Sem nomear as partes envolvidas, o banco trata do caso em que Cristina Junqueira (cofundadora) fez uma publicação nas redes sociais marcando a produtora Brasil Paralelo. Nas palavras da instituição, “foi o estopim para uma ameaça de boicote.

“Este cancelamento virtual – equivalente contemporâneo e digital da corrida aos bancos – somou-se a uma indisponibilidade de sistema ocorrida na sequência, e vimos contaminação negativa à cotação das ações. Estes eventos nos alertaram para mais um risco, e um de difícil mensuração, que se soma aos demais mapeados e reafirma a visão de que a tese de investimentos, dada a diferenciação da empresa, é de fato, significativamente complexa”, explica o BB-BI.

Leia a seguir

Leia a seguir

“O ativo digital é altamente dependente do engajamento de sua base. O que, em tempos de redes sociais, inclui uma tolerância instável de seus promotores”, afirma o banco.

Vale o preço?

Por último, o BB-BI ressalta que a recomendação de compra é qualificada como alto risco. Essa é a resposta do banco para esse ponto.

“Nosso preço-alvo é derivado de um valuation que prevê uma manutenção da boa execução da atual estratégia de crescimento e internacionalização. Inclui elementos ousados, como crescimento de carteira de crédito em média de 35% nos próximos cinco anos. E de tarifas em média 40% no mesmo período.”

“Por outro lado, estamos trabalhando com manutenção dos atuais níveis de margem financeira líquida e custo de crédito. Ou seja, não projetamos melhora adicional nestes índices. Ainda mantivemos os custos projetados para crescer de cerca de 35% ao ano, ritmo acelerado, mas em linha com a expansão do Nu.”

Assim, o BB-BI indica que não gosta de ficar de fora de casos de empresas que vivem um bom momento.

“Temos cada vez mais indícios de que no longo prazo a percepção de valor quanto a uma empresa que de fato entrega o que se propõe acaba superando os anseios de curto prazo. Suas ações não apenas observam alta, mas frequentes revisões de preço. E, em nossa opinião, o Nubank definitivamente vive um momento muito favorável, merecendo o benefício da dúvida.”