EUA: Procuradores precisam convencer júri em caso contra Sam Bankman-Fried, ex-CEO da FTX

Bankman-Fried foi indiciado no ano passado sob acusação de ter orquestrado o que o governo chamou de "uma das maiores fraudes financeiras da história americana"

Os procuradores assistentes dos Estados Unidos responsáveis pelo caso contra Sam Bankman-Fried, ex-CEO da falida empresa de criptomoedas FTX, vasculharam milhões de páginas de documentos, como parte de um trabalho para selecionar as peças certas para o caso.

Bankman-Fried foi indiciado no ano passado sob acusação de ter orquestrado o que o governo chamou de “uma das maiores fraudes financeiras da história americana”.

As principais testemunhas do governo não são relacionadas exatamente à credibilidade: são comerciantes de criptografia que se declararam culpados de fraude criminosa. Mas os promotores estão acostumados a se aprofundar nas cabeças das testemunhas e só confiam nelas depois de passarem muito tempo com elas.

Os procuradores podem dizer aos jurados que este caso é simplesmente uma fraude antiquada com um ativo moderno. Pode envolver criptografia, mas não se trata de criptografia. Fried roubou o dinheiro de outras pessoas para enriquecer, apostar nos seus investimentos e financiar as suas causas preferidas e contribuições políticas. Ou pelo menos é assim que os profissionais do governo enquadram as acusações.

O que dizem os advogados de Bankman-Fried

Os advogados de Bankman-Fried contam uma história diferente. Dizem que ele agiu de boa fé e, embora possa ter sido um mau administrador que cometeu erros graves, não era um ladrão e não pretendia fraudar ninguém. Os advogados de defesa disseram aos jurados esta semana que o governo o retrata incorretamente como um vilão de desenho animado.

O caso provavelmente dependerá do depoimento de três testemunhas cruciais próximas a Bankman-Fried, especialmente Caroline Ellison, que era ao mesmo tempo a executiva-chefe de sua empresa comercial e sua ex-namorada. As evidências que ela forneceu ao governo como parte de seu acordo judicial incluem notas manuscritas de reuniões e uma lista chamada “coisas pelas quais Sam está pirando”.

Com informações do Estadão Conteúdo.