Vale (VALE3) concluirá programa de recompra de ações até outubro; papéis sobem na bolsa

Ações da mineradora sobem nesta quinta-feira com notícias sobre recompra de ações

O vice-presidente executivo de finanças e relações com investidores da Vale, Gustavo Pimenta, afirmou hoje, em teleconferência com analistas, que a empresa vai concluir até outubro o terceiro programa de recompra de ações.

Pimenta ressaltou que, quando o programa estiver concluído, cerca de 20% das ações da mineradora em circulação terão sido recompradas. Às 13h desta quinta-feira (27), as ações subiam 0,44%, cotadas a R$ 70,71. “É um programa que contribui para criar valor para a companhia”, afirmou Pimenta.

Vale se diz confiante em cumprimento de metas para 2023

O presidente da Vale, Eduardo Bartolomeo, afirmou hoje, em teleconferência com analistas que a companhia segue “muito confiante” no cumprimento das metas para o ano.

No primeiro trimestre, a mineradora teve lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) pro forma de US$ 3,687 bilhões, abaixo dos US$ 6,374 bilhões de igual período do ano passado, em uma queda provocada principalmente pelo recuo dos preços e pelas menores vendas de minério de ferro, além do aumento dos custos.

Bartolomeo destacou que houve um “gap” entre produção e vendas devido às condições climáticas no Norte, que afetaram os embarques, além do reequilíbrio de estoques na cadeia de suprimentos. “Como a produção não foi afetada, esperamos que [esse gap] seja compensado ao longo do ano”, disse Bartolomeo.

Bartolomeo afirmou ainda que a companhia segue “progredindo de forma contínua” na segurança de barragens.

Ele lembrou ainda que a empresa distribuiu ainda US$ 1,8 bilhão em dividendos aos acionistas. O presidente também destacou que a Vale anunciou hoje a venda da MRN, “a última etapa no processo de desinvestimento de ativos da empresa”.

Foco nos negócios-chave

Bartolomeo, afirmou que a mineradora está focada nos negócios-chave, especialmente no minério de ferro e nos metais relevantes para a transição energética.

Neste sentido, o executivo afirmou que a área de metais será uma plataforma de crescimento.

Bartolomeo disse ainda que a Vale poderá crescer de forma orgânica ou inorgânica, a depender das oportunidades.

“Estamos no momento correto para participar da transição energética”, disse Bartolomeo.

O executivo acrescentou que, se a Vale não encontrar um parceiro para a área de metais, desenvolverá o negócio “de qualquer forma”.

“Teremos um conselho independente do negócio de metais”, disse o presidente da Vale, que acrescentou que o colegiado será presidido por Mark Kutifani, ex-Anglo American. “Até meados do ano teremos mais notícias para compartilhar sobre a nova empresa de metais”, afirmou Bartolomeo.