Sindicatos pedem salário mínimo de R$ 1.342 e revogação da reforma trabalhista em encontro com Lula

Sindicalistas pediram ao presidente a revogação de trecho da reforma trabalhista que favorece acordos entre patrões e empregados acima da legislação

Em encontro com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) no Palácio do Planalto, nesta quarta-feira, dirigentes sindicais defenderam que o debate sobre a política de valorização do salário mínimo não pode ser pautado pelo “deus mercado”, em referência aos agentes econômicos e integrantes do mercado financeiro. Em discurso, os sindicalistas voltaram a pedir que Lula garanta um benefício de R$ 1.342, em detrimento dos R$ 1.320 aprovado pelo Congresso Nacional no ano passado.

“O debate do salário mínimo não pode ser pautado pelo deus mercado”, afirmou o presidente da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), Adilson Araújo. Já o presidente da Nova Central Sindical de Trabalhadores (NCST), Moacyr Roberto Tesch Auersvald, pediu que o governo petista promova o reajuste da tabela do Imposto de Renda (IR) com a “desoneração dos mais humildes”.

“Vamos nos empenhar com o seu governo para derramar o nosso suor em defesa dos trabalhadores. Temos hoje um governo que nos conhece como a palma de sua mão e que nos estende esse braço forte num momento de reaproximação. Queremos uma reforma tributária atingindo somente quem ganha mais e as grandes fortunas. Ao mesmo tempo, pedimos a desoneração dos mais humildes e também das pequenas empresas”, disse Auersvald.

Negociação entre patrão e sindicatos

Já o presidente da Força Sindical, Miguel Torres, explicou que as centrais não querem a volta do imposto sindical, mas sim da valorização da negociação entre patrões e sindicatos. Isso porque, desde a reforma trabalhista, o acordado entre empresas e trabalhadores têm prevalência sobre a legislação. Por conta disso, os sindicalistas pedem a revogação de trechos da reforma.

“Se por um lado, o ex-presidente Bolsonaro desprezou duramente a representação dos trabalhadores, por outro lado abrigou os interesses empresariais e de políticos. É fundamental reverter este quadro, indispensável em um país desigual como o Brasil. Tais mudanças somente se darão a partir de mudança legislativa democrática. Dentre as mudanças, destacamos necessidade de resolver a questão do financiamento sindical. Não estamos pedindo a volta do imposto sindical, mas que o trabalhador decida como financiar seu sindicato”, argumentou Miguel.

Trabalhadores de aplicativo

O presidente da Central dos Sindicatos Brasileiros (CSB), Antonio Neto, adotou tom similar. “O ideal seria fazer um revogaço, uma MP de quatro linhas, para revogar três leis: a terceirizaçao indiscriminada, a lei da reforma trabalhista e a lei da liberdade econômica. Esta é a esperança de todos os que aqui estão”, explicou Neto.

Por fim, o presidente da União Geral de Trabalhadores (UGT), Ricardo Patah, lembrou da situação dos trabalhadores de aplicativo. “Os trabalhadores do aplicativo representam os miseráveis, representam uma precariedade do trabalho. Durante a minha fala, morreu uma pessoa em São Paulo [trabalhando com aplicativo]. Na minha fala, uma pessoa teve sequelas. Enquanto se debatem as mortes, minha vida aqui é apelar para buscar alternativa para a vida do trabalhador, da família do trabalhador”, explicou.