Senado aprova MP que recria Minha Casa, Minha Vida com faixa de até R$ 8 mil mensais

Novo Minha Casa, Minha Vida atenderá famílias com renda de dois a seis salários mínimos em centros urbanos; confira faixas do programa

O Senado aprovou nesta terça-feira (13) a medida provisória (MP) do programa Minha Casa, Minha Vida. O texto segue agora para sanção presidencial. A medida perderia a validade se não tivesse a tramitação no Legislativo concluída até quarta-feira. A votação foi simbólica, sem contagem individual dos votos. Também não houve alteração de trechos da proposta original assinada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT)

A medida provisória traz de volta um programa carro-chefe do PT, criado em 2009, segundo mandato de Lula, e terá custo de R$ 10 bilhões, bancado pelo Orçamento do governo federal.

Programa atenderá famílias com renda mensal de até R$ 8 mil

A nova edição do Minha Casa, Minha Vida atenderá famílias em áreas urbanas com renda bruta mensal de até R$ 8 mil e famílias de áreas rurais com renda bruta anual de até R$ 96 mil. O texto aprovado pela Câmara permitia que fossem cobrados do construtor dos imóveis seguros diversos. O Senado não retirou o trecho para não ser necessária nova análise dos deputados, mas o líder do governo, Jaques Wagner (PT-BA), disse que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva vetará o trecho.

Os senadores aprovaram emendas de redação. São alterações no texto que, em tese, não mudam o mérito da proposta. Por isso, as mudanças na MP não devem retornar à Câmara dos Deputados para nova apreciação.

Pelo programa, os subsídios aos imóveis populares serão maiores quanto menor for a faixa de renda familiar. As faixas serão as seguintes:

Famílias em área urbana:

  • Faixa 1 — renda bruta mensal de até R$ 2.640;
  • Faixa 2 — renda bruta mensal de R$ 2.640,01 a R$ 4.400;
  • Faixa 3 — renda bruta mensal de R$ 4.400,01 até R$ 8.000.

Famílias em área rural:

  • Faixa 1 — renda bruta anual até R$ 31.680;
  • Faixa 2 — renda bruta anual de R$ 31.680,01 até R$ 52.800;
  • Faixa 3 — renda bruta anual de R$ 52.800,01 até R$ 96.000.

Benefícios temporários como auxílio-doença e seguro-desemprego não contarão no cálculo das faixas de renda. O texto permite que o Ministério das Cidades atualize os valores das faixas de renda anualmente.

O programa dará preferência para famílias sustentadas por mulheres e para as que tenham integrantes idosos ou com deficiência física, crianças ou adolescentes, e pessoas com câncer ou doença rara crônica e degenerativa. Também terão preferências famílias de povos tradicionais ou quilombolas, entre outros grupos.

Lula quer levar Minha Casa, Minha Vida à classe média

A medida aprovada também obriga o governo federal a repassar ao menos 5% dos recursos do programa para Estados e municípios retomarem obras paradas, executarem requalificação de prédios e executarem obras em municípios com até 50 mil habitantes.

Mais cedo, em uma live transmitida nas redes sociais, o presidente afirmou também que é preciso ampliar o programa Minha Casa, Minha Vida para famílias de classe média.

“Nós precisamos fazer não apenas o Minha Casa, Minha Vida para as pessoas mais pobres. Precisamos fazer o Minha Casa, Minha Vida para a classe média. O cara que ganha R$ 10 mil, R$ 12 mil, R$ 8 mil, esse cara também quer ter uma casa e esse cara quer ter uma casa melhor”, argumentou Lula. Para o petista, o governo precisará ter “capacidade de fazer uma quantidade enorme de casas”.