Lula sobre inflação: Se a meta está errada, muda-se a meta

Lula afirma que vai parar de brigar com Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central, apesar de juros altos

Durante entrevista à imprensa nesta manhã no Palácio do Planalto, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva voltou a repercutir a alta taxa de juros e a meta de inflação. Ao comentar uma informação que ouviu de um jornalista, de que o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, teria supostamente dito que para atingir uma meta de inflação de 3% seria necessária taxa de juros de 20%, Lula disse que se esse fato for verdadeiro, a meta deve ser alterada.

“Porque se a meta está errada, muda-se a meta”, afirmou. Cobrado posteriormente sobre essa declaração, Lula esclareceu que se alguém estabelece a meta de inflação, mas não vai cumpri-la, então que não estabeleça a meta. Ele ressalvou, contudo, que meta de inflação é problema do Banco Central e do Senado, que aprovou o presidente da instituição.

Lula diz que ‘não vai ficar brigando’ com Campos Neto

Nesse ponto, Lula lembrou que cumpriu a meta de inflação nos mandatos anteriores. Afirmou que assumiu o governo em 2003 com inflação de 12%, criou uma política para o índice, e levou o dado para 4,5%, oscilando 2 pontos para mais ou para menos.

Lula ressalvou, entretanto, que não vai ficar “brigando com o presidente do Banco Central”. Nas últimas semanas, ele elevou o tom contra Campos Neto, mas aconselhado por aliados, deixou de atacar o dirigente da instituição.

Ele voltou a atacar a taxa Selic, entretanto, de 13,75%. “Essa taxa de juros é incompreensível para o desenvolvimento do país”, criticou. “Nenhum empresário vai tomar dinheiro emprestado a essa taxa de juros”, completou.

Leia a seguir

Leia a seguir