Lula chama Michel Temer de ‘golpista’ e discute mais obras em infraestrutura no exterior

Presidente brasileiro se encontrou com presidente uruguaio e discutiu fortalecimento do Mercosul, além de acordo do bloco com a China

“O golpista, Michel Temer”. Foi como o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) se referiu ao ex-chefe do Executivo que assumiu a presidência após o impeachment de Dilma Rousseff (PT). A fala foi feita durante um discurso de Lula em encontro com o presidente do Uruguai, Luis Alberto Lacalle Pou. O site oficial do governo federal chama o impeachment de Dilma de “golpe”.

Durante o encontro com Lacalle Pou, Lula prometeu investir mais em projetos de cooperação entre Brasil e Uruguai na área de infraestrutura — sem citar, dessa vez, investimentos do BNDES (Banco de Desenvolvimento Social e Econômico). O presidente se comprometeu a estudar a proposta, do lado brasileiro, de tornar o aeroporto de Rivera internacional. A cidade fronteiriça é popular entre turistas brasileiros por ser um destino de compras.

Veja quais obras Lula discutiu com presidente do Uruguai

Além do aeroporto de Rivera, Lacalle Pou disse que pretender expandir, junto ao Brasil, a ponte binacional de Rio Branco, para que mais caminhões de carga passem pelo local.

Também foi mencionada a dragagem do canal da hidrovia da Lagoa Mirím-Lagoa dos Patos (RS), que conecta o território brasileiro e uruguaio para o transporte de carga usando barcos. Não foi esclarecido o orçamento da obra.

Lacalle Pou descreveu o encontro com Lula como “bastante produtiva”, além de ter gerado “muito otimismo” ao presidente uruguaio.

Além de infraestrutura, a outra parte da conversa entre os presidentes foi sobre o fortalecimento do Mercosul, ponto sobre o qual Lacalle destacou diferenças com Lula. O presidente uruguaio disse que “o ponto onde temos mais diferenças” é na abertura comercial do país azul-celeste com o mundo, e se isso deveria ser feito seguindo critérios mais próximos aos do Mercosul.

O possível acordo entre China e Uruguai preocupa o Brasil pela perda de participação na balança comercial. “Sabemos que Brasil tem peso econômico e demográfico muito grande”, disse Lacalle Pou, assinalando que, mesmo assim, seguirá paralelamente a discutir um acordo com a China. “Vamos fazer uma formação de equipe técnica entre Brasil, Uruguai mais outros países interessados para os acordos com a China.”

Lula quer acordo Mercosul e China

Lula, por sua vez, disse que assumiu o Brasil “semidestruído”. “Quando deixei a presidência [em 2010] , Brasil era 6ª economia mundial. Agora, é 13ª”, afirmou o presidente, que, em seguida, defendeu a modernização do Mercosul.

“Cansei de dizer em meus discursos que o Brasil não pode crescer sozinho. É preciso crescer junto com todos os países da América Latina”, acrescentou.

O presidente classificou como “urgente e necessária” a conclusão do acordo comercial entre o Mercosul e a União Europeia, iniciado em 2019. A prioridade de firmar um tratado comercial com os europeus seria para firmar, em seguida, um acordo entre o Mercosul e a China.

“A China tem seu maior parceiro comercial no Brasil, enquanto nós temos nosso maior superavit com a China. Mas, ainda assim, quero conversar com a China enquanto como o Mercosul, e discutir um acordo Mercosul e China”, apontou Lula.