Brasil cria 180 mil vagas de emprego em abril, queda de 12,4%

Criação líquida de empregos nos primeiros 4 meses de 2023 chega a 705,7 mil

O Brasil criou 180 mil vagas de emprego com carteira assinada em abril, segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgados nesta quarta-feira, 31, pelo Ministério do Trabalho e Emprego.

De acordo com o número divulgado pelo governo federal, trata-se do resultado de 1.865 milhão de admissões e 1.685 milhão de desligamentos, representa uma queda de 12,4% em relação ao mesmo mês do ano passado. Na base sequencial, o saldo foi 7,8% menor.

No acumulado dos primeiros quatro meses do ano, o Brasil teve criação líquida de 705,7 mil postos de trabalho, volume 14,5% menor do que na mesma etapa de 2022.

Mesmo apontando queda em períodos comparativos, os números de abril vieram levemente acima da previsão média do mercado, que era de criação líquida de 173 mil vagas, segundo o serviço Projeções Broadcast.

“Este é um resultado similar ao que a gente vem esperando para esses períodos”, disse a subsecretaria de Estatísticas do ministério, durante apresentação dos números. O ministro do Trabalho, Luiz Marinho, que estava previsto para participar da divulgação, foi chamado para outro compromisso e não pôde participar disse ela.

PNAD mostra desemprego em queda

Mais cedo nesta quarta-feira, o IBGE divulgou que a taxa de população desocupada no país ficou em 8,5% no trimestre encerrado em abril, praticamente estável em relação ao trimestre imediatamente anterior últimos (8,4%), mas recuou em relação ao mesmo período do ano passado, quando foi de 10,5%.

Os dados contidos na PNAD, também mostraram que a taxa de pessoas ocupadas marcou 98 milhões, recuando 0,6% ante o trimestre anterior, mas subiu 1,6% ano a ano.

Os números da PNAD foram vistos por economistas como sinal de que o mercado de trabalho do país seguiu resiliente, considerando o ciclo de juros, que está no maior nível desde 2016.