Lula anuncia os primeiros ministros de seu novo governo; veja os nomes e perfis

Como esperado pelo mercado financeiro, Fernando Haddad foi confirmado na Fazenda

O presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva anunciou nesta sexta-feira (9) os nomes dos primeiros ministros de seu governo. A nomeação foi antecipada para acelerar a transição e a formatação das medidas e dos programas a serem implementados a partir de 1º de janeiro.

Veja os nomes confirmados:

Fazenda: Fernando Haddad (PT), ex-ministro
Casa Civil: Rui Costa (PT), governador da Bahia
Justiça e Segurança Pública: Flávio Dino (PSB), senador eleito
Defesa: José Múcio Monteiro, ex-presidente do TCU
Relações Exteriores: Mauro Vieira, embaixador e ex-ministro

“É preciso que algumas pessoas comecem a trabalhar para montar o governo. Tomei a decisão de escolher Fernando Haddad como ministro da fazenda e tem incumbência de ter de montar sua equipe”, disse Lula na abertura da coletiva.

O presidente eleito adiantou que pretende apresentar novos novos na semana que vem. “Domingo vou ter conversa para determinar a quantidade de ministérios que vamos ter e de secretarias que vamos criar”, disse.

O petista também fez um breve balanço da transição de governo – e aproveito para fazer críticas à gestão de Jair Bolsonaro. “Quando a transição terminar vamos tentar com a maior seriedade e sobriedade apresentar para a sociedade brasileira o que encontramos como resultado do atual governo, sem precisar fazer show de pirotecnia”, comentou.

“Queremos que a sociedade saiba como está a saúde, a educação, o SUS, a ciência e tecnologia, a situação dos aposentados, e dos trabalhadores, para que a sociedade saiba, porque se não apresentarmos agora estará nas nossas costas os desmandos feitos pelo atual governo”, acrescentou.

Veja a seguir um breve perfil dos futuros ministros

Quem é Fernando Haddad, futuro ministro da Fazenda

Nascido em São Paulo (SP), Fernando Haddad, de 59 anos, se formou em Direito pela Universidade de São Paulo (USP), se especializou em Direito Civil e fez mestrado em economia e doutorado em filosofia pela mesma universidade.

Já foi também professor de Teoria Política Contemporânea do Departamento de Ciência Política da USP e analista de investimento do Unibanco.

Atuou ainda como consultor da Fundação de Pesquisas Econômicas (Fipe), chefe de gabinete da Secretaria de Finanças da Prefeitura de São Paulo e secretário-executivo do Ministério da Educação.

Nesta quinta-feira (8), Haddad se reuniu com o atual titular do Ministério da Economia, Paulo Guedes. Segundo o petista, o encontro com Guedes durou pouco mais de uma hora e a conversa foi “excelente”, “cordial” e “educada”.

“Passamos em revista vários assuntos importantes. Em uma reunião de uma hora e meia não é possível esmiuçar todos os assuntos, mas foi uma excelente reunião. Reunião muito boa, muito bem recebido. Definimos uma agenda de trabalho a partir da semana que vem”, afirmou o petista.

Quem é Rui Costa, futuro ministro da Casa Civil

Economista e natural de Salvador (BA), Rui Costa se formou em economia pela Universidade Federal da Bahia (UFBA).

Iniciou sua trajetória política, com atuação no movimento sindical, no Polo Petroquímico de Camaçari, na década de 1980. Rui Costa foi vereador em Salvador e ganhou destaque como secretário estadual durante a gestão de Jaques Wagner (2007-2014) do estado da Bahia.

O político foi secretário de Relações Institucionais, elegeu-se deputado federal e, depois, assumiu a Casa Civil do governo de Jaques Wagner, que o indicou para concorrer ao governo da Bahia.

Rui Costa foi eleito governador da Bahia em 2014 e em 2018.

Quem é Flávio Dino (PSB), futuro ministro da Justiça e Segurança Pública

Flávio Dino de Castro e Costa tem 54 anos, é advogado, ex-juiz, professor e político. Ele nasceu em São Luís (MA) e é formado em Direito pela Universidade Federal do Maranhão (UFMA) e mestre pela Universidade Federal de Pernambuco (UFBE).

Dino foi juiz federal entre 1994 e 2006. Depois exerceu o cargo de deputado federal (2007-2011). Em seguida, assumiu a presidência da agência Brasileira de Promoção Internacional do Turismo (Embratur), no governo da ex-presidente Dilma Rousseff, entre 2011 a 2014.

Nos anos seguintes, foi eleito governador do Maranhão por duas vezes (2015-2022). Em 2022, renunciou ao meses finais no cargo para concorrer ao Senado Federal.

Nas eleições de 2022, Dino foi eleito senador da República pelo estado do Maranhão com 63,38% dos votos. Ele deve pedir licença do Senado para assumir o Ministério da Justiça.

Quem é José Múcio Monteiro, futuro ministro da Defesa

Nascido em Recife (PE), José Múcio Monteiro é engenheiro civil. Ele foi deputado federal, secretário estadual, ministro de Estado e ministro do TCU – entre 2019 e dezembro de 2020, quando se aposentou.

Múcio iniciou a carreira a política na década de 1970 e, ao longo dos anos, passou pelos pelas siglas PFL, PSDB e PTB.

Ele foi vice-prefeito e prefeito da cidade de Rio Formoso (PE). Na sequência, foi secretário de Transportes, Comunicação e Energia de Pernambuco.

Múcio teve cinco mandatos de deputado federal por Pernambuco. No período, se licenciou para assumir a Secretaria de Planejamento, Urbanismo e Meio Ambiente de Recife.

Também se licenciou em 2007, no segundo mandato de Lula como presidente, para ser o ministro-chefe da Secretaria de Relações Institucionais da Presidência da República.

Ele ficou à frente da pasta, responsável pela articulação político do governo, até 2009, quando foi indicado por Lula para o TCU. E permaneceu 11 anos no tribunal.

Quem é Mauro Vieira, futuro ministro das Relações Exteriores

O embaixador Mauro Vieira nasceu em 15 de fevereiro de 1951 e é bacharel em direito pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Funcionário de carreira do Itamaraty, Vieira se formou na academia diplomática brasileira, o Instituto Rio Branco, em 1974.

Como embaixador, Vieira serviu, entre 1982 e 1985, na Missão do Brasil junto à Associação Latino-Americana de Integração (Aladi) em Montevidéu, Uruguai. Ele também trabalhou na Embaixada do Brasil na Cidade do México, de 1990 a 1992; na embaixada do Brasil em Paris, entre 1995 e 1999.

Entre 2003 e 2006, o novo ministro foi representante do Ministério das Relações Exteriores no Conselho de Administração da Itaipu Binacional.

Além do Itamaraty, Vieira já trabalhou no Ministério da Ciência e Tecnologia, onde foi secretário-geral adjunto de Ciência e Tecnologia e no Ministério da Previdência e Assistência Social, onde exerceu o cargo de Secretário Nacional da Administração do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS).