Melhores e piores do dia: Pine (PINE4) lidera e acumula +66% em 30 dias: Tenda (TEND3) e CVC (CVCB3) ficam entre as piores

Confira as ações que mais subiram e as que mais caíram na bolsa nesta quarta (24)

O Banco Pine (PINE4), voltado para crédito para empresas e investimentos, liderou os ganhos na bolsa nesta quarta-feira (24), com alta de mais de 16%. Assim, os papéis terminaram o dia valendo R$ 2,60.

A instituição acumula alta considerável na bolsa nos últimos 12 meses: valorização de cerca de 115% no período. No pregão anterior, as ações já haviam apresentado forte alta, de 4,67%, ficando entre as melhores do dia.

O motivo da alta ainda é um mistério, mas acompanha o otimismo com os papéis no último mês, quando as ações saltaram de R$ 1,58, uma valorização de 65,82%.

Há algumas semanas, o Banco Pine apresentou seus resultados trimestrais, com lucro líquido de R$ 30,5 milhões no primeiro trimestre do ano, 17 vezes maior que o registrado no mesmo período do ano passado.

Segundo o banco, o resultado positivo veio acompanhado do aumento da geração de receitas em todas as linhas de negócio.

Ações da bolsa com maiores quedas

Em contrapartida, a empresa de viagens e turismo CVC (CVCB3) teve destaque negativo, perdendo mais de 7% do valor de suas ações ao longo do pregão, com os papéis caindo para R$ 2,81. Nos últimos 12 meses, a queda bate 75%.

A empresa, que teve a segunda maior queda do dia, costuma ter seu desempenho diretamente relacionado ao das companhias aéreas. Nesta quarta, a Azul (AZUL4) caiu 1,60%. Além disso, a Gol (GOLL4) desvalorizou 2,68%.

Aparentemente, as aéreas devolvem parte dos ganhos que acumularam nos últimos dias com a possibilidade de redução no preço do combustível de aviação.

Apesar da desvalorização acentuada, as concorrentes não figuraram entre as maiores perdas da bolsa.

Ânimo com Tenda esfria

Nesse sentido, outro destaque negativo foi a Tenda (TEND3), que ficou com as maiores perdas da bolsa depois de desidratar 7,76% no pregão, com papéis caindo para R$ 7,25. Em 12 meses, a companhia apresenta alta de 47%.

A construtora havia subido anteriormente, beneficiada pela possibilidade de mudanças no programa Minha Casa, Minha Vida (MCMV), porém, devolveu os ganhos nesta quarta.

BRF sofre com a gripe aviária

Os papéis da BRF (BRFS3) tiveram a segunda maior queda da bolsa, com desvalorização de mais de 5%, com papéis cotados a R$ 7,32 no final da sessão. Com isso, a BRF acumula perdas de quase 49% na bolsa em 12 meses.

Assim, a queda vem se acentuando nos últimos dois dias, desde o anúncio do Ministério da Agricultura e Pecuária de emergência sanitária em função dos cinco casos de gripe aviária no Espírito Santo.

Na terça, as ações já haviam caído 4,91%, ficando entre as piores baixas do Ibovespa.

Confira as melhores ações* do dia

  • Banco Pine (PINE4) +16,96%
  • Espaçolaser (ESPA3) +8,88%
  • Mobly (MBLY3) +8,87%
  • Zamp (ZAMP3) +4,84%
  • Bombril (BOBR4) +4,54%

Veja as maiores quedas*

  • Tenda (TEND3) -7,76%
  • CVC (CVCB3) -7,56%
  • Dexco (DXCO3) -6,39%
  • BRF (BRFS3) -5,54%
  • Kepler (KEPL3) -4,93%

*A lista de melhores e piores da bolsa contempla empresas que negociam ações na B3 , dentro ou fora do Ibovespa e outros índices, e que no dia tiveram volume de negociação na casa dos milhões de reais, ou acima disso.