Grupo EIG compra braço de petróleo da Novonor (ex-Odebrecht) por R$ 1,8 bi

Recursos da venda serão usados para pagar parte de um dívida do conglomerado com o braço de participações do BNDES

O fundo de investimentos norte-americano EIG anunciou nesta quinta-feira que fechou acordo para compra da Ocyan, braço de óelo e gás da Novonor (ex-Odebrecht) por US$ 390 milhões (R$ 1,8 bilhão).

O contrato, que também envolveu o Banco Nacional de Desenvolvimento (BNDES), inclui US$ 283 milhões referentes à participação de 100% da Novonor, mais dívidas.

Os recursos serão usados para pagar parte de uma dívida que a Novonor tem com o BNDESPar, braço de participações do BNDES.

Criada em 2006, a Ocyan se apresenta como a única operadora brasileira de unidades flutuantes de produção de petróleo e gás (FPSO, na sigla em inglês).

A companhia opera quatro unidades e têm contratos com a Libra Consortium, Karoon Energy e 3R Petroleum.

Para a EIG, a Ocyan se beneficiará de potenciais sinergias com a Prumo Logística, outra empresa do grupo, e sua subsidiária, Porto do Açu.

A conclusão da transação deverá ocorrer no primeiro trimestre de 2024.

Histórico

Antes conhecida como Odebrecht Óleo e Gás (OEC), a Ocyan foi uma das empresas do então grupo Odebrecht, atingido duramente pelos efeitos da operação Lava Jato, iniciada em 2014, e que levou o conglomerado à recuperação judicial.

Diferente de outros braços do grupo, a OEC foi rebatizada como Ocyan e buscou um caminho negociado com credores, por meio de recuperação extrajudicial.

O processo, iniciado há um ano, envolvia dívidas totais de cerca de US$ 2,7 bilhões.