Arezzo (ARZZ3) e grupo Soma (SOMA3) negociam fusão para formar gigante da moda

As conversas sobre a fusão começaram em 2021 e voltaram a ganhar força nas últimas semanas por iniciativa da Arezzo

A Arezzo e o Grupo Soma, dono das marcas Farm, Animale e Hering, voltaram à mesa de negociações no fim da semana passada. As ações ARZZ3 e SOMA3 disparam após o anúncio. A ideia é criar um grupo gigante de moda, com estimativa de ganhos operacionais com a junção em torno de R$ 4,5 bilhões para todas as marcas envolvidas.

As conversas sobre a fusão começaram em 2021, segundo pessoas familiarizadas com as negociações, mas travaram e voltaram a ganhar força nas últimas semanas por iniciativa da Arezzo. Até o momento, não há bancos de investimentos envolvidos.

Grupo Soma confirma à CVM que há conversas em andamento

O Soma confirmou em comunicado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) que há conversas em andamento. Segundo o documento, a possível associação pode ser “mediante a junção de suas operações e bases acionárias, envolvendo as ações das respectivas companhias e a governança compartilhada do negócio combinado”.

Alexandre Birman seria o presidente da companhia combinada, enquanto Roberto Jatahy continuaria à frente do comando das marcas sob atual gestão do Soma. A informação foi inicialmente noticiada pelo Neofeed.

A Arezzo também emitiu comunicado sobre o assunto. “A companhia está em entendimentos com o Grupo Soma em que ambos avaliam uma possível associação que poderá envolver a unificação das bases acionárias em uma única companhia com governança compartilhada.”

As empresas ressaltam que não há qualquer documento vinculante celebrado até o momento e deixam claro que a operação pode não ser confirmada.

Transação seria 100% em ações

Segundo uma fonte, a transação seria 100% em ações, sem prêmio sobre a cotação dos papéis. Pelos termos, a Arezzo ficaria com pouco mais de 50% da empresa combinada, e o Soma, com o restante.

A nova holding chegaria a aproximadamente R$ 11,8 bilhões em valor de mercado, de acordo com projeção da Ativa Investimentos. Para comparação, a Lojas Renner tem R$ 15,2 bilhões. Após a veiculação de notícias sobre a fusão, as ações do Soma subiram mais de 16%, e as da Arezzo, mais de 12%.

Para Eduardo Yamashita, diretor de operações da Gouvêa Ecosystem, consultoria especializada em varejo, a potencial fusão apresenta oportunidades de sinergia que podem ser captadas no curto, médio e longo prazo.

“O segmento de moda passa por um momento de reestruturação em âmbito global, motivado pela profunda mudança no comportamento dos consumidores, entrada de players asiáticos e aumento generalizado dos custos de operação e do capital”, afirma.

Vestuário vive momento de consolidação

Birman disse nesta semana, em evento promovido pelo UBS BB, que o setor de vestuário vive um momento de consolidação. Ele afirmou que o grupo Arezzo detém 12% de participação no mercado de vestuário masculino, e busca ganhar espaço no segmento feminino.

Nos últimos anos, a empresa de Birman comprou a Reserva e a Baw. Além disso, em 2019 passou a ter o licenciamento da marca Vans no Brasil. Do lado do Soma, o movimento mais relevante foi a compra da Hering, em 2021.

No terceiro trimestre do ano passado, o Soma registrou R$ 1,5 bilhão em receitas e um lucro líquido de R$ 96 milhões. Já a Arezzo teve receita líquida de R$ 1,6 bilhão no mesmo período, e um lucro líquido recorrente foi de R$ 107 milhões.

Com informações do Estadão Conteúdo