Morning call: como a bolsa de valores vai fechar a semana antes do Natal?

O Ibovespa fechou ontem renovando mais uma vez sua máxima histórica. A bolsa valorizou 1,05%, aos 132.182,01 pontos

O morning call de hoje indica que a bolsa de valores tem para repercutir, como indicador econômico mais importante do dia, o índice de preços de gastos com consumo de novembro nos Estados Unidos. O Ibovespa fechou ontem renovando mais uma vez sua máxima histórica. A bolsa valorizou 1,05%, cotada aos 132.182,01 pontos.

Importante destacar que o dólar fechou em queda de 0,49%, cotado a R$ 4,8877.

O dia de ontem foi marcado por alguns acontecimentos importantes. Todos a partir de análises do Banco Central.

O presidente do BC, Roberto Campos Neto, por exemplo, afirmou que a política monetária prevê, para as próximas duas reuniões do Copom, quedas de 0,5 ponto porcentual na taxa básica de juros.

Ainda ontem, o BC, no Relatório Trimestral de Inflação trouxe uma perspectiva de juro neutro no Brasil de 4,5% e ociosidade menor na economia. Por outro lado, o fluxo cambial – até 15 de dezembro – ficou positivo em US$ 21,8 bilhões, segundo o mesmo Banco Central.

A sessão desta sexta-feira (22) é a última antes do Natal. O mercado reabrirá apenas na próxima terça-feira (26). A valorização do Ibovespa oscila positivamente em torno de 3,5% no mês. No ano, o avanço gira em torno de 20%.

Bolsas nos Estados Unidos ontem

As bolsas de Nova York fecharam em alta nesta quinta (21) impulsionadas por indicadores da economia americana. As leituras reforçaram as perspectivas de cortes de juros pelo Federal Reserve (Fed) no próximo ano.

Além disso, algumas empresas divulgaram resultados acima do esperado, o que repercutiu em seus respectivos setores, caso das fabricantes de chips que ganharam força após números da Micron.

O volume de negócio encolheu nos últimos dias, à medida que investidores já entram no clima das festas de fim de ano. O período costuma ser marcado por valorização nos mercados, no fenômeno apelidado de “rali do Papai Noel”.

O índice Dow Jones subiu 1,87%, aos 37.404,35 pontos. O S&P 500 subiu 1,03%, para 4.746,75 pontos e o Nasdaq avançou 1,26%, aos 14.963,87 pontos.

Bolsas da Ásia

As bolsas da Ásia fecharam com viés negativo nesta sexta-feira (22) após nova regulação na China renovar temores por um cerco do governo ao setor privado e se sobrepor a sinais de estímulos econômicos por Pequim.

Autoridades chinesas divulgaram hoje um conjunto de propostas que endurece as regras para jogos online, que inclui limites para os gastos de usuários. Como resultado, a ação da Netease, gigante dos videogames no país asiático, despencou 24,60% em Hong Kong, enquanto Tencent perdeu 12,35%.

Assim, o índice Hang Seng, referência na ilha semiautônoma, encerrou a sessão em baixa de 1,69%, a 16.340,41 pontos. A Bolsa de Xangai caiu 0,13%, a 2.914,78 pontos, enquanto a de Shenzhen, menos abrangente, cedeu 0,88%, aos 1.785,64 pontos.

As perdas foram relativamente limitadas pela decisão de grandes bancos chineses de cortarem as taxas de depósito, que pode abrir caminho para que o Banco do Povo da China (PBoC) reduza juros.

Entre outras praças na região, o índice Kospi, de Seul, perdeu 0,02%, a 2.599,51 pontos, na mínima do dia.

Em Tóquio, o Nikkei subiu 0,09%, aos 33.169,05 pontos, com Toyota em baixa de 0,85%, ainda de olho em um escândalo de segurança em uma subsidiária da montadora.

O índice Taiex, de Taiwan, por sua vez, ganhou 0,30%, aos 17.596,63 pontos. Na Oceania, o S&P/ASX 200, de Sydney, caiu 0,03%, a 7.501,60 pontos.

Com informações Dow Jones Newswires e Estadão Conteúdo