Morning call: bolsa será capaz de manter-se em alta apesar da guerra entre Israel e Palestina?

Foi exatamente o que ocorreu ontem, com valorização de 0,86%; dólar fechou em queda de 0,62%

A bolsa de valores nesta terça-feira (10) será capaz de manter-se no campo positivo apesar da guerra entre Israel e Palestina? Essa é a principal pergunta do morning call de hoje.

Afinal, foi exatamente o que ocorreu ontem, com o Ibovespa fechando em alta de 0,86%, a 115.156,07 pontos. Por outro lado, vale lembrar que o dólar fechou em queda – recuo de 0,62% (cotação de R$ 5,1300).

O conflito entre Israel e Palestina esteve no foco do mercado ontem. Mas as ações da Petrobras (PETR3;PETR4) e outras petroleiras apresentaram ótimo desempenho durante o dia. Isso, portanto, contribuiu para o fechamento da bolsa no campo positivo.

De acordo com cotações apuradas entre 17h30 e 17h50 de ontem, as ações da Petrobras (PETR4) fecharam em alta de 4,39%. E as ações PETR3 foram bem também, com elevação de 4,18%.

Para o cientista político da consultoria Eurasia Christopher Garman, os efeitos da guerra tendem a ser de curto prazo nos preços do petróleo. Mas se o Irã se envolver diretamente no conflito as consequências para mercado de combustíveis pioram muito.

Já para Acilio Marinello, coordenador do MBA em Digital Finance da Trevisan Escola de Negócios, a busca “pode passar a ser por investimento mais seguro, com fuga de capital da bolsa em direção dos títulos de curtíssimo prazo”.

De acordo com ele, isso pode gerar “uma grande desvalorização das bolsas e um cenário de altíssima volatilidade”.

Hoje, portanto, será mais um dia em que o mercado será afetado pelo conflito. E o desempenho das bolsas na Ásia pode começar a responder se o desempenho por aqui será positivo ou negativo.

Bolsas da Ásia

As bolsas asiáticas fecharam sem direção única no morning call desta terça-feira. Algumas foram favorecidas pelo avanço de Wall Street ontem e outras pressionadas pelas incertezas do conflito entre Israel e palestinos.

O índice japonês Nikkei liderou os ganhos na Ásia, ao voltar de um feriado com alta de 2,43% em Tóquio, a 31.746,53 pontos. Enquanto isso, o Hang Seng avançou 0,84% em Hong Kong, a 17.664,73 pontos, e o Taiex registrou ganho de 0,41% em Taiwan, a 16.520,57 pontos.

Ontem, as bolsas de Nova York encerraram os negócios com ganhos, revertendo queda de mais cedo, após um dirigente do Federal Reserve (Fed) sugerir que o banco central dos EUA poderá deixar seus juros inalterados em novembro, uma vez que o recente salto nos rendimentos dos Treasuries de longo prazo pode estar ajudando a esfriar a inflação sem a necessidade de aperto monetário.

Na China continental, por outro lado, o dia foi de perdas, em meio a temores persistentes sobre o ritmo de crescimento da segunda maior economia do mundo e tensões geopolíticas ligadas ao conflito que eclodiu entre Israel e Gaza no fim de semana. O Xangai Composto recuou 0,70%, a 3.075,24 pontos, e o menos abrangente Shenzhen Composto caiu 0,38%, a 1.901,33 pontos.

O Kospi ficou igualmente no vermelho em Seul hoje, também na volta de um feriado, com queda de 0,26%, a 2.402,58 pontos.

Em contraste com o desempenho positivo do Hang Seng, a ação da Country Garden sofreu um tombo de 4,48% em Hong Kong, após a incorporadora chinesa alertar que não terá condições de honrar pagamentos de dívida em meio a vendas fracas.

Bolsas na Oceania

Na Oceania, a bolsa australiana neste morning call foi favorecida por Wall Street e animadores dados locais sobre confiança do consumidor, garantindo o maior avanço diário em quase um mês. O S&P/ASX 200 teve alta de 1,01% em Sydney, a 7.040,60 pontos.

Com informações da Dow Jones Newswires e Estadão Conteúdo