Morning call: semana termina com agenda econômica moderada; confira destaques do dia

A semana foi marcada por importantes fatos. No cenário nacional, o Copom anunciou mais uma redução da Selic

O morning call do último dia de uma semana cheia aponta para uma agenda econômica moderada a ser repercutida pela bolsa de valores.

Então, haverá a divulgação da produção industrial de dezembro pelo IBGE e, no cenário internacional, o Payroll de janeiro nos Estados Unidos. Confira:

  • 09h00: Produção industrial de dezembro de 2023 (IBGE)
  • 10h30: Payroll/Taxa de dezembro de janeiro nos EUA

A semana foi marcada por importantes fatos. No cenário nacional, o Comitê de Política Monetária anunciou mais uma redução na taxa básica de juros da economia, a Selic.

E, nos Estados Unidos, destaque para a manutenção da taxa pelo Federal Reserve (Fed, o Banco Central dos Estados Unidos).

Assim, vale lembrar neste morning call que a bolsa de valores na quinta-feira fechou em alta de 0,57%, a 128.481,02 pontos.

O dólar, por sua vez, fechou em queda de 0,44%, então cotado a R$ 4,9156.

Dessa maneira, por conta dessa agenda mais moderada, o mercado volta-se para importantes balanços que serão divulgados na próxima semana.

Assim, a agenda de resultados produzida pela Inteligência Financeira indica balanços do BTG Pactual (BPAC11), Itaú Unibanco (ITUB4) e Bradesco (BBDC4).

Então, confira algumas das divulgações mais importantes.

  • BTG Pactual – divulgação dia 5/2 antes da abertura de mercado
  • Cielo – divulgação dia 5/2 após o fechamento do mercado
  • Itaú Unibanco – divulgação dia 5/2 após o fechamento do mercado
  • Bradesco – divulgação dia 7/2 antes da abertura do mercado
  • Klabin – divulgação dia 7/2 antes da abertura do mercado
Melhores ações

Vale prestar atenção

Dessa forma, o Itaú BBA, em relatório, rebaixou para a classificação ‘neutra’ as ações da Petz (PTZ3). Entre as justificativas, o banco de investimento afirmou que espera um desempenho apenas alinhado com a média de mercado. Confira mais informações.

Foto: Divulgação

Bolsas da Ásia fecham mistas

As bolsas asiáticas fecharam sem direção única nesta sexta-feira, com algumas delas avançando após a recuperação de Wall Street e as chinesas estendendo perdas recentes.

Liderando ganhos na Ásia, o índice sul-coreano Kospi saltou 2,87% em Seul, a 2.615,31 pontos, em meio ao forte desempenho de ações do setor automotivo e de internet, enquanto o japonês Nikkei subiu 0,41% em Tóquio, a 36.158,02 pontos, e o Taiex avançou 0,51% em Taiwan, a 18.059,93 pontos.

Na China continental, por outro lado, o mau humor observado desde o começo da semana persistiu hoje. O Xangai Composto recuou 1,46%, a 2.730,15 pontos, em sua quinta sessão consecutiva de perdas, e o menos abrangente Shenzhen Composto teve expressiva queda de 2,99%, a 1.491,70 pontos. O dia foi negativo também em Hong Kong, com baixa de 0,21% do Hang Seng, a 15.533,56 pontos.

Segundo a analista do Maybank Sonija Li, investidores na China provavelmente estão reduzindo posições antes do feriado do ano novo lunar, que terá início em 9 de fevereiro e se estenderá por uma semana, visto que recentes medidas de estímulos anunciadas por Pequim não foram suficientes para melhorar o sentimento nos mercados.

Na Oceania, a bolsa australiana também seguiu Wall Street, apagando a queda que havia registrado no pregão anterior. O S&P/ASX 200 avançou 1,47% em Sydney, a 7.699,40 pontos, atingindo máxima histórica pela segunda vez esta semana.

Morning call: como fecharam as bolsas dos Estados Unidos

As bolsas de Nova York fecharam em alta e o índice Dow Jones renovou máxima histórica, com o apetite por risco em alta em Wall Street diante de alívio nos retornos dos Treasuries e relatos de acordo de cessar-fogo em Gaza.

Setorialmente, os ganhos das big techs se sobrepõem à queda generalizada dos bancos americanos, em meio a preocupações com o New York Community Bank (NYCB).

O índice Dow Jones fechou em alta de 0,97%, a 38.519,84 pontos. O S&P 500 subiu 1,25%, a 4.906,19 pontos. E o Nasdaq ganhou 1,30%, a 15.361,64 pontos.

Com informações da Dow Jones Newswires e do Estadão Conteúdo