Ações da Light (LIGT3) derretem mais de 17% após pedido de recuperação judicial; papéis serão removidos dos índices da B3

Nesta sexta, a Light divulgou resultados do 1T23, registrando lucro líquido de R$ 107,1 milhões, revertendo prejuízo de um ano antes

A Light (LIGT3) anunciou nesta sexta-feira (12) que entrou oficialmente com pedido de recuperação judicial perante a 3ª Vara Empresarial da Comarca da Capital do Estado do Rio de Janeiro.

Segundo a companhia, o procedimento é, neste momento, a medida mais adequada para equacionamento do seu endividamento e a readequação da sua estrutura de capital ao mesmo tempo em que mantém seus serviços.

Ações

Nesta sexta-feira (12), as ações da empresa ficaram entre as piores quedas da bolsa, com perdas de 17,20% no fechamento, cotadas a R$ 3,85.

Nos últimos 12 meses, as ações da empresa caíram 51,5%.

Em 2023, os papéis chegaram a ter momento pior. No final de março e começo de abril, as ações da empresa de energia oscilaram abaixo de R$ 2, com o pior fechamento no dia 5 de abril, quando bateu R$ 1,92.

Desde o início do ano, a recuperação judicial da empresa já estava no horizonte dos investidores. Além disso, a empresa vem sofrendo com constantes problemas de roubo em suas linhas, que impactaram em bilhões perdidos pela companhia.

Obrigações de R$ 11 bi

A empresa afirma que a recuperação judicial compreende obrigações de aproximadamente R$ 11 bilhões e embora venha avançando nas negociações com credores, a atual situação econômico-financeira está se agravando.

“A companhia mantém e reafirma a confiança em sua capacidade operacional e comercial para a negociação e aprovação de um plano de recuperação que lhe permita implementar o pretendido equacionamento”, menciona a Light, em comunicado.

Resultados do 1T23

Na madrugada desta sexta-feira, a Light divulgou seus resultados de primeiro trimestre, registrando lucro líquido de R$ 107,1 milhões, revertendo prejuízo de R$ 106 milhões de um ano antes.

A companhia já havia pedido proteção judicial contra cobrança de credores e está na mira de órgãos reguladores federais para possível intervenção por conta de riscos na continuidade das suas operações.

Ações da Light serão removidas dos índices

A B3 informou ao mercado que as ações da Light serão removidas dos índices após o pregão da próxima segunda-feira (15) por causa do início do processo de recuperação judicial da companhia.

De acordo com a operadora da bolsa, os papéis da companhia serão excluídos dos índices IBRA, IEEX, IGCT, IGCX, IGNM, ISEE, ITAG, SMLL e UTIL ao seu preço de fechamento naquele dia.

A participação das ações da Light será redistribuída proporcionalmente aos demais integrantes da carteira com o pertinente ajuste nos redutores, diz a B3, em informe na Agência Bovespa.

Em comunicado mais cedo, sobre o pedido de recuperação judicial, a empresa afirmou que o procedimento é, neste momento, a medida mais adequada para equacionamento do seu endividamento e a readequação da sua estrutura de capital ao mesmo tempo que mantém seus serviços.

“A companhia mantém e reafirma a confiança em sua capacidade operacional e comercial para a negociação e aprovação de um plano de recuperação que lhe permita implementar o pretendido equacionamento”, menciona a Light, em comunicado.

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) destacou que o pedido de recuperação judicial foi interposto pela S.A., a holding, e não pela Sesa), a distribuidora, algo que seria vedado.