Live IF: Quando a Selic começa a cair?

A jornalista Mara Luquet e o analista e colunista de Economia no JOTA, Fábio Graner, falam das expectativas em torno da ata do Copom

Na live “Papo Inteligente” desta segunda-feira (08), a jornalista Mara Luquet e o analista e colunista de Economia no JOTA, Fábio Graner, comentaram as expectativas, em Brasília, em torno da ata do Copom.

A ata do Copom, sempre divulgada uma semana após a reunião, é importante para o mercado porque reflete os números apresentados na reunião do Copom. Os dados podem sinalizar quais os próximos passos que o Banco Central tomará em relação a taxa de juros, influenciando estratégias de investimentos de empresas e pessoas físicas.

Com decisão unânime, o Copom manteve a taxa Selic, juros básicos da economia, em 13,75% ao ano, na reunião realizada nos dias 2 e 3 de maio.

Redução da taxa

Graner explica que as  expectativas no mercado estão convergindo para a redução da taxa de juros entre agosto ou setembro. Mas, não passam de expectativas.  

Durante a conversa, a jornalista Mara Luquet lembrou que, iniciado o processo de redução do juro, não significa que a economia vai destravar.

O colunista do JOTA lembrou que, em 2012, a Selic atingiu o menor percentual, sem crescimento econômico.  

Quando o projeto do arcabouço fiscal estiver aprovado pelo Congresso Nacional, haverá um cenário mais claro e transparente para a ampliação dos investimentos. Então, em algum momento, começaria a queda da taxa de juros, explica Graner.

Discurso agressivo

O analista também observa que o discurso muito agressivo do governo serve para deixar a autoridade monetária em uma situação em que ela precisa demonstrar autoridade e independência. E, muitas vezes, a reposta acaba sendo o inverso.

Mara Luquet explica que o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, não é a única pessoa que decide a taxa de juro. São oito membros da Diretoria Colegiada do Banco Central, com direito a voto, sendo presidido pelo presidente do Banco Central, que tem o voto de qualidade.  “Mas, Campos Neto tem um papel de influenciador do colegiado”, completou Graner.