Queda no crescimento da economia americana pode indicar recessão em 2023

Desaceleração do PIB dos EUA no quatro trimestre de 2022 é um reflexo do aumento da taxa de juros

A economia dos Estados Unidos registrou crescimento de 2,9% no 4º trimestre de 2022, uma desaceleração da alta do período anterior, mas um resultado natural – e esperado – devido ao aumento da taxa básica de juros pelo Federal Reserve (Fed, o banco central americano).

Os aumentos dos juros pelo Fed visam reduzir o crescimento e os gastos e arrefecer a pior alta da inflação americana em quatro décadas. No ano passado, o Fed elevou sua taxa de referência sete vezes e está se programando para repetir a dose, embora desta vez por uma quantidade menor.

Diante de um cenário de juros cada vez mais altos, a expectativa é que o forte desempenho da economia dos EUA registrado no 4º trimestre não se repita por um tempo, segundo o economista sênior do Commerzbank, Christoph Balz, em nota.

Segundo o economista, os resultados mais recentes do PIB não são animadores, e alguns dados de dezembro, como vendas no varejo e produção industrial, já estavam muito fracos, sinalizando que a economia está perdendo força. Os principais indicadores, como o ISM, de atividade industrial, também estão apontando acentuadamente para baixo em janeiro, diz Balz.

“Continuamos esperando uma recessão leve este ano, já que o impacto total dos aumentos de juros do Fed provavelmente será sentido apenas neste ano”, disse ele.

A possibilidade dos EUA enfrentarem uma recessão neste ano também é defendido por Bill Adams, economista-chefe do Comerica Bank, que estima que os esforços do Fed para conter a alta inflação por meio de rápidos aumentos nas taxas de juros desencadearão amplos cortes de gastos e perda de empregos.

“Os ventos contrários da grande alta nas taxas de juros, os consumidores reduzindo gastos e as economias fracas no exterior foram grandes problemas para os EUA no final de 2022”, disse Adams. “A expectativa é que o crescimento real do PIB provavelmente se torne negativo no primeiro semestre deste ano”.

Pesquisas recentes com gerentes de compras dos EUA descobriram que taxas de juros mais altas e inflação persistente pesaram sobre a demanda em janeiro nos setores de manufatura e serviços. Partes da economia também mostraram sinais de arrefecimento no final do ano passado. As vendas no varejo caíram no mês passado no ritmo mais acentuado de 2022, as vendas de casas caíram pelo 11º mês consecutivo e novas vagas e aumentos salariais diminuíram nos últimos meses nos EUA.