Morning call: bolsa abre mais um dia de agosto sem sinal claro de desempenho

Ibovespa já amarga 12 quedas seguidas; sessão ontem terminou em baixa de 0,50%

No morning call de hoje, o destaque está na bolsa amargando 12 quedas consecutivas e na ausência de eventos econômicos na agenda desta quinta-feira (17). Aliás, é incerto apostar tanto em um início de reversão do quadro atual da bolsa de valores quanto de seu aprofundamento.

De certeza, mesmo, apenas os números.

O sessão de ontem mostrou o Ibovespa em baixa de 0,50%, chegando a 115.591 pontos. Ontem, aliás, a principal agenda foi a divulgação da ata do Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos). No documento, a entidade disse estar pronta para ampliar o aperto monetário, se necessário. A orientação é motivada, pela inflação, que está alta e ainda preocupa os dirigentes do banco.

Neste momento de turbulência, então, a China tem sido também foco do mercado por aqui por conta de seu crescimento aquém do esperado. Veja como foi o fechamento das bolsas asiáticas.

Fechamento das bolsas asiáticas

Os mercados asiáticos não tiveram sinal único no morning call desta quinta-feira. Afinal, na Bolsa de Xangai houve ganhos, o que interrompeu uma sequência de quatro quedas consecutivas. Mas Tóquio caiu, com a influência de preocupações sobre mais aperto monetário do Federal Reserve.

Bolsa de Xangai

A Bolsa de Xangai fechou em alta de 0,43%, em 3.163,74 pontos, e a de Shenzhen, de menor abrangência, subiu 0,85%, a 1.984,30 pontos.

Isso porque montadoras e fabricantes de hardware estiveram entre os destaques positivos em Xangai, com investidores dando menos peso a perspectivas mais fracas para a economia e maior foco nas expectativas por mais estímulo oficial.

Entre montadoras, Great Wall Motor subiu 1,15% e BYD, 0,7%. No setor de telecomunicações, ZTE avançou 1,0%. Já no setor financeiro houve baixas, como de China Life Insurance (-2,1%).

Além disso, a Reuters reportou que a Zhongzhi, gestora de ativos, disse a investidores estar em crise de liquidez e que pretende reestruturar sua dívida.

Bolsa de Tóquio

Na Bolsa de Tóquio, o índice Nikkei registrou baixa de 0,44%, a 31.626,00 pontos. Ações de varejo estiveram entre as pressionadas. MatsukiyoCocokara caiu 3,2% e Mitsui & Co., 2,3%. A perspectiva de mais aperto monetário pelo Fed esteve no radar, após na tarde de ontem o banco central americano ter publicado a ata de sua última reunião de política monetária.

Demais índices asiáticos

Em Hong Kong, o índice Hang Seng fechou em queda de 0,01%, em 18.326,63 pontos.

Na Coreia do Sul, o índice Kospi recuou 0,23% em Seul, a 2.519,85 pontos, no nível de fechamento mais fraco desde 18 de maio. A piora na perspectiva econômica para a China é apontada como uma das causas para a fraqueza recente no mercado sul-coreano, ao lado do avanço dos juros dos Treasuries, segundo Priyanka Sachdeva, analista sênior da Phillip Nova. Entre ações em foco em Seul, Hanjin KAL caiu 6,5% e SL Corp., 6,45%.

Em Taiwan, o índice Taiex foi na contramão da maioria e subiu 0,42%, a 16.516,66 pontos. O mercado acionário de Taiwan chegou a cair em parte do dia, mas se recuperou e garantiu ganho.

Na Oceania, o S&P/ASX 200 fechou em queda de 0,64%, a 7.146,00 pontos, na Bolsa de Sydney. A fraqueza de ontem nas bolsas de Nova York influiu, bem como os avanços dos retornos dos bônus. O setor financeiro esteve entre as baixas na praça australiana. Entre as empresas que reportaram balanços, Telstra caiu 2,8% e Amcor teve queda de 2,9%. Já Goodman avançou 5,7%, após rever para cima sua expectativa de lucro no ano fiscal de 2024.

Com informações da Dow Jones Newswires e Estadão Conteúdo