Goldman Sachs vê com cautela otimismo do mercado americano com queda da inflação

Para os analistas do banco, após a divulgação da taxa de juros dos EUA pelo Fed, os investidores podem assumir que uma desaceleração no crescimento pode levar a um alívio das pressões de preços

A inflação dos Estados Unidos não terá uma queda tão acentuada quanto os mercados estão precificando, segundo os estrategistas do Goldman Sachs ouvidos pela agência Bloomberg.

Para os analistas da instituição, após a divulgação da taxa de juros do país pelo Federal Reserve (Fed), os investidores podem estar assumindo que uma desaceleração acentuada no crescimento pode levar a um alívio das pressões de preços.

“Embora esperemos mais quedas na inflação daqui para frente, os mercados parecem consideravelmente mais otimistas do que nós sobre o ritmo de resfriamento”, disseram em nota oficial idealizada pelos estrategistas da instituição.

Ainda em nota à imprensa, os estrategistas coordenados por Praveen Korapaty afirmaram nesta sexta-feira, 16, que estão pessimistas em relação à queda nos preços da energia em relação ao implícito nos futuros de commodities, enxergando esta diminuição de forma limitada e ignorando uma possível “inflação tardia” em setores essenciais, como o da saúde.

Na última quarta-feira, 14, o Comitê Federal do Mercado Aberto (Fomc) interrompeu o ciclo de alta de aumentos nas taxas de juros, animando os investidores que já prospectam possíveis quedas nas próximas reuniões.

Outro fator decisivo para elevar o sentimento do consumidor foram as expectativas de inflação de curto prazo, que caíram no início de junho para a mínima em mais de dois anos.

O chefe de pesquisa da Fundstrat, Tom Lee, afirmou em nota na sexta-feira que os aumentos de preços podem diminuir potencialmente este ano em meio à queda no índice de preços ao consumidor. Para ele, essa visão está sendo adotada pelo mercado financeiro, explicando grande parte dos grandes acumulados no ano.

“O Fed pode acabar com essa guerra inflacionária (também conhecida como pivô) quando o público coletivo acreditar que a inflação está quebrada”, disse Lee, e seu melhor palpite é que “será em algum momento de 2023?.

Ao contrário de Lee, a Goldman mantém uma posição cautelosa, acreditando que os preços permanecerão rígidos. Os estrategistas da empresa recomendam que os investidores comprem swaps de um ano para apostar em uma inflação mais alta do que os preços atuais de mercado.