EUA: crescimento estável e inflação moderada aumentam as chances de expansão estendida

Com FED elevando as taxas de juros em 5,25 pontos porcentuais, analistas previram que uma recessão era iminente, mas adiaram a data de início

As expansões econômicas não morrem de velhice, gostam de dizer os economistas; elas são assassinadas pelo Federal Reserve. Não é de admirar, então, que como o FED elevou as taxas de juros em 5,25 pontos porcentuais desde o início do ano passado, incluindo 0,25 pontos-base na quarta-feira, 26, os analistas previram que uma recessão era iminente. Mas adiaram a data de início da recessão, já que o crescimento permanece estável.

A economia cresceu 2,4% no segundo trimestre, informou o Departamento do Comércio nesta quinta-feira (27), acima do esperado. Na verdade, em certo aspecto, uma recessão nos próximos seis meses seria incomum. Isso significaria que a atual expansão, iniciada em abril de 2020, terá durado apenas quatro anos. O que é menos da metade da média de 8,6 anos das quatro expansões anteriores, desde 1982.

Isso mostra o que está em jogo no ato de equilíbrio atual do FED. Ele espera que as taxas tenham subido o suficiente para reduzir a inflação, mas não o suficiente para levar a economia à contração – o chamado pouso suave.

FED nunca conseguiu aterrissagem suave com inflação tão acima da meta

Com base nos padrões históricos, um pouso suave significaria mais quatro ou cinco anos antes da próxima recessão. O FED nunca conseguiu uma aterrissagem suave quando a inflação estava tão acima de sua meta e o mercado de trabalho estava superaquecido. Ainda assim, há um argumento plausível desta vez. No passado, a inflação era geralmente causada pelo excesso de demanda. Desta vez, um culpado maior é o fornecimento interrompido – de mercadorias, transporte, commodities, mão de obra – após a pandemia e a invasão da Ucrânia pela Rússia.

O abastecimento está voltando. As montagens de automóveis, anteriormente retidas pela escassez de semicondutores, aumentaram acentuadamente neste ano. A demanda robusta por trabalhadores foi atendida por um aumento na oferta: a parcela da população com idade entre 25 e 54 anos trabalhando ou procurando trabalho – a taxa de participação – agora é maior do que antes da recessão. E apesar dos mercados de trabalho apertados, uma espiral de preços salariais ainda não é aparente.

Ao contrário de antes de 1981, as expectativas de inflação de longo prazo do público são estáveis, em torno de 2% a 3%. Do lado negativo, os fatores estruturais que restringiram os custos nas últimas décadas foram revertidos: graças às tensões geopolíticas e ao protecionismo, a globalização retrocedeu e o envelhecimento da população minou o crescimento da força de trabalho.

Talvez a inteligência artificial sobrecarregue a produtividade, mas por enquanto isso é puramente hipotético. Essas forças significam que, mesmo que o FED reduza a inflação sem matar a economia no próximo ano, não é garantia que a suspensão da execução perdure.

Com informações do Estadão Conteúdo