Desaceleração do crescimento da China faz com que muitos ‘percam a fé’

Expectativa é de que a China registre um crescimento de cerca de 7% no Produto Interno Bruto (PIB) no segundo trimestre na segunda-feira (17)

A expectativa é de que a China registre um crescimento de cerca de 7% no Produto Interno Bruto (PIB) no segundo trimestre na segunda-feira. Esse número, no entanto, não reflete o escopo da dor econômica, em que muitas pessoas do país dizem que, apesar de um crescimento sólido na economia neste ano, parece uma recessão. Ou, pelo menos, uma economia que cresce muito, muito devagar.

“De muitas maneiras, parece que voltamos a 2008, quando a crise financeira global atingiu”, disse um empresário, que mencionou que um de seus negócios, um distribuidor de telas de LED com sede em Shenzhen, está sofrendo perdas cada vez maiores à medida que os pedidos no exterior secam, levando-o a reduzir os preços para competir por clientes domésticos. “Como a maioria dos meus amigos empresários, estou perdendo a fé no futuro da economia.”

O sentimento negativo entre as empresas e a quem busca emprego pode ser em parte devido ao ajuste que eles estão tendo que fazer ante os anos de crescimento acelerado do país, que já começaram a desacelerar. Então veio a covid-19, uma desaceleração no mercado imobiliário e uma repressão regulatória às maiores empresas de tecnologia do país.

Alguns economistas argumentaram recentemente que, mesmo que a China não esteja em recessão como normalmente é definida (dois trimestres consecutivos de contração econômica), ela pode estar no que é conhecido como “recessão do balanço patrimonial”. Nesse cenário, dívidas pesadas e baixa confiança entre consumidores e empresas prendem a economia em um crescimento fraco e tornam difícil para que autoridades de política monetária cortem taxas de juros, porque poucas pessoas querem tomar empréstimos.

Com informações do Estadão Conteúdo