Calote próximo? Governo dos EUA segue sem acordo sobre teto da dívida

Presidente Biden planeja aumentar impostos; enquanto republicanos pedem cortes de gastos

O presidente Joe Biden e o presidente da Câmara dos Representantes, Kevin McCarthy, não conseguiram chegar a um acordo nesta segunda-feira sobre como aumentar o teto da dívida de US$ 31,4 trilhões do governo dos Estados Unidos com apenas 10 dias antes de um possível calote que pode afundar a economia dos EUA, mas prometeram para continuar se falando.

O presidente democrata e o principal republicano do Congresso têm tentado chegar a um acordo, em um cenário em que McCarthy pressiona a Casa Branca a concordar com cortes de gastos no orçamento federal que Biden considera “extremos” e o presidente do Executivo impõe novos impostos que os republicanos rejeitam.

“Reiteramos mais uma vez que o calote está fora de questão e a única maneira de avançar é de boa fé em direção a um acordo bipartidário”, disse Biden em comunicado após a reunião, que chamou de “produtiva”.

McCarthy disse a repórteres após mais de uma hora de conversas com Biden que os negociadores “vão se reunir, trabalhar a noite toda” para tentar encontrar um terreno comum.

“Achei que tivemos uma discussão produtiva. Ainda não chegamos a um acordo”, disse McCarthy. “Acredito que ainda podemos chegar lá.”

Ele disse que espera falar com Biden todos os dias, mas que não está disposto a considerar o plano de Biden de cortar o déficit aumentando os impostos sobre os ricos e fechando brechas fiscais para as indústrias petrolífera e farmacêutica.

O foco de McCarthy é reduzir os gastos no orçamento federal de 2024.

Democratas e republicanos têm apenas 10 dias para chegar a um acordo – até 1º de junho – para aumentar o limite de endividamento do governo ou desencadear uma moratória sem precedentes da dívida que os economistas alertam que pode provocar uma recessão.