Fed vê chance de recessão em 2023

Economistas do banco central norte-americano (Fed) acreditam que há grande chance de os EUA entrarem em recessão no próximo ano

O banco central americano (Federal Reserve, o Fed) disse em sua ata pela primeira vez desde o início do aperto monetário, em março, que o desenho de uma recessão começa a ser projetado na visão dos integrantes do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês).

“A equipe continuou a julgar que os riscos para a projeção da linha de base para a atividade real foram distorcidos para baixo e viram a possibilidade de que a economia entraria em recessão em algum momento do próximo ano quase tão provável quanto a linha de base”, diz trecho do documento divulgado nesta tarde.

Também de acordo com o texto, os integrantes do Fomc já veem espaço para a redução do ritmo no aperto monetário. “Um ritmo mais lento nessas circunstâncias permitiria ao Comitê avaliar melhor o progresso em direção às suas metas de máximo emprego e estabilidade de preços”, aponta outro trecho do documento.

“Alguns participantes comentaram que a desaceleração do ritmo de crescimento poderia reduzir o risco de instabilidade no sistema financeiro. Outros participantes observaram que, antes de diminuir o ritmo dos aumentos da taxa básica de juros, poderia ser vantajoso esperar até que a postura da política monetária estivesse mais claramente em território restritivo e houvesse sinais mais concretos de que as pressões inflacionárias estão diminuindo significativamente.”

Os membros do Comitê ainda apontaram que o foco agora deve ser a taxa terminal, e não mais os ritmos do aperto monetário. Os integrantes ainda apontaram ver riscos de um aperto monetário mais forte do que o necessário. Da mesma forma, alguns membros do Fomc disseram que o aperto monetário mais rápido e contínuo pode desestabilizar o sistema financeiro. “Houve ampla concordância de que a maior incerteza quanto às perspectivas para a inflação e para a atividade real destacou a importância de se levar em conta o aperto acumulado da política monetária, as defasagens com que a política monetária afetou a atividade econômica e a inflação e os desenvolvimentos econômico-financeiros.”

O documento ainda mostra que os integrantes veem como necessário que o BC americano esteja preparado para lidar com as interrupções do mercado à medida que o aperto monetário avança. A projeção deles é que o crescimento fiquei mais fraco e a inflação mais alta do que o projetado anteriormente. Para 2024 e 2025, eles esperam ver o desemprego com uma taxa mais alta do que eles consideram como natural.