Ata do Fed mostra que maioria dos membros do comitê defendem pausa no aumento dos juros

Para a próxima reunião de junho, os dirigentes seguiram divididos sobre o caminho do aperto monetário, mas com maior defesa para a realização de uma pausa

Na ata da reunião do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc) do Federal Reserve (Fed) dos dias 2 e 3 de maio, os dirigentes do banco central americano estavam em dúvida sobre uma alta nos juros em maio. A decisão acabou sendo uma alta de 0,25 ponto percentual para o nível de 5% a 5,25%.

Para a próxima reunião de junho, os dirigentes seguiram divididos sobre o caminho do aperto monetário, mas com maior defesa para a realização de uma pausa.

Se há divisão sobre o caminho dos juros, os membros do Fomc são unânimes em afirmar que a economia seguiu se expandindo a um nível moderado no primeiro trimestre e que a inflação segue em nível elevado e inaceitável.

Além disso, os dirigentes concordaram que o mercado de trabalho segue forte e que as condições financeiras ficarão mais apertadas decorrentes do estresse bancário.

“A projeção econômica preparada pela equipe para a reunião de maio do Fomc continuou a assumir que os efeitos do esperado aperto adicional no crédito bancário, em meio a condições financeiras já apertadas, levaria a uma leve recessão a partir do final deste ano, seguido por uma recuperação de ritmo moderado. O PIB real deve desacelerar nos próximos dois trimestres antes de recuar modestamente no quarto trimestre deste ano e no primeiro trimestre do próximo ano”, informa o documento.