Mercado hoje: Ibovespa muda de direção no fim do pregão e fecha em queda; dólar avança

O fim da temporada de balanços também esteve no radar do dia, com os investidores repercutindo os resultados de ontem, especialmente Banco do Brasil

Após se manter em alta durante boa parte do pregão, o Ibovespa inverteu a direção depois das 15h30 e fechou no vermelho após uma sequência de oito altas seguidas, enquanto o dólar quebrava a dinâmica de cinco altas, em movimento de ajuste.

O principal índice da bolsa brasileira fechou com perdas de 0,77%, aos 108.193 pontos. Já a moeda americana avançou 1,15%, cotada a R$ 4,9438.

Arcabouço

Na noite de segunda-feira, foi apresentado o parecer do relator do projeto do marco fiscal na Câmara dos Deputados, Cláudio Cajado (PP-BA).

O texto agora determina que o governo adote medidas de congelamento de gastos, caso a despesa primária obrigatória represente mais de 95% da despesa primária total.

O relator também cortou cinco das treze exceções de gastos no cálculo da meta e passou a incluir travas aos planos do governo de usar o excesso de arrecadação para investimentos.

O próximo passo será a votação nesta semana da urgência da proposta.

Na leitura dos profissionais da MCM Consultores, a não aplicação de travas fiscais aos reajustes do salário-mínimo pode decepcionar os investidores, já que o salário-mínimo tem impacto em despesas relevantes como os benefícios previdenciários.

Ainda no mercado local, a definição da nova estratégia de preços para a gasolina e o diesel da Petrobras pode ter reflexos nos negócios, a depender da forma como o investidor avaliar a percepção de risco institucional.

O fim da temporada de balanços também está no radar e pode mexer nos preços. O destaque ficar por conta do Banco do Brasil, que superou as projeções no primeiro trimestre, tendo um lucro líquido ajustado de R$ 8,55 bilhões.

No exterior, os agentes financeiros seguem atentos à discussão do teto da dívida americana, enquanto avaliam os dados mais fracos do que o esperado das vendas do varejo americano e aguardam os números da produção industrial do país.

Comentários de dirigentes do Federal Reserve (Fed) também devem ser observados de perto pelos investidores, na busca de sinalizações sobre os próximos passos do banco central americano. Alguma ponderação dos dados mais fracos na China também pode pesar sobre o mercado de câmbio ao longo da sessão.

Commodities

O petróleo fechou em queda nesta terça-feira, pressionado por indicadores de EUA, zona do euro e China que indicaram que a economia global está em desaceleração. O fraco desempenho da atividade nas principais potências do mundo tende a reduzir a demanda por petróleo no futuro próximo, pesando sobre os preços no mercado futuro.

O barril do petróleo WTI – referência americana – com entrega prevista para julho recuou 0,35%, a US$ 70,84, e o do Brent – referência global – para o mesmo mês cedeu 0,43%, a US$ 74,91.

Após a recuperação de ontem, o petróleo retomou sua trajetória recente de perdas após indicadores das economias da China, zona do euro e dos Estados Unidos mostrarem fraqueza.