Mercado hoje: dólar sobe a R$ 5,14 com exterior no radar; Ibovespa fecha em alta

Investidores temem menor demanda por commodities após desaceleração inesperada da economia chinesa

O dólar fechou em alta ante o real nesta terça-feira (16), mantendo a tendência de aversão a risco observada na véspera. A moeda subiu 0,95%, negociada a R$ 5,1410. Na Bolsa, o Ibovespa fechou em alta de 0,2%, para 113.512 pontos, em dia de agenda fraca.

Dados fracos da economia chinesa anunciados ontem seguem influenciando os agentes. O país asiático teve uma desaceleração inesperada nas vendas de varejo e produção industrial em julho e junho, respectivamente.

Investidores globais olham para o Brasil como um mercado arriscado, especialmente em ano eleitoral. Ainda pesa o fato da economia brasileira ser ligada a commodities e a perspectiva de que a China pode diminuir a demanda prejudica a moeda brasileira.

Nos Estados Unidos, investidores operaram em clima de espera por ata do Fed (o banco central dos EUA), que será divulgada amanhã e deve dar pistas sobre como a autarquia planeja lidar com a inflação no país. 

Os principais índices acionários do país norte-americano fecharam com sinais mistos. O S&P 500 avançou 0,19% e o Dow Jones subiu 0,71%, enquanto o Nasdaq Composite fechou em queda de 0,19%.

Destaques do Ibovespa 

Duas empresas que apresentaram resultados considerados fracos pelo mercado lideraram as perdas do Ibovespa hoje. As ações da Méliuz (CASH3) despencaram 9,8% depois que a empresa registrou prejuízo líquido de R$ 28,2 milhões no segundo trimestre, ante um resultado negativo em R$ 4,7 milhões um ano antes. 

Já os papéis da Yduqs (YDUQ3) caíram 11,76%. A empresa reportou prejuízo de R$ 63,7 milhões no segundo trimestre deste ano. Em igual período de 2021, reportou lucro de R$ 116,5 milhões. A receita líquida recuou 2,2%, para R$ 1,13 bilhão. Já a base de estudantes da Yduqs chegou a 1,3 milhão de alunos no segundo trimestre, alta de 57,8%.

Do lado positivo, as ações da Petrobras (PETR4) subiram 0,91% mesmo com a forte queda do petróleo Brent, que fechou no menor nível desde janeiro. A resistência da Petrobras veio após a notícia de que a estatal vai construir uma das maiores plataformas de petróleo do mundo no Campo de Búzios, no Rio de Janeiro. A instalação terá capacidade para produzir até 225 mil barris de petróleo por dia. 

Ações de frigoríficos se destacaram hoje, com BRF (BRFS3) subindo 6,53%, Marfrig (MRFG3) avançando 4,78% e JBS (JBSS3) fechando em alta de 4,89%.