Bolsas de NY fecham em baixa, diante de expectativas renovadas por Fed restritivo

O apetite por risco se deteriorou diante de renovada perspectiva de juros restritivos por mais tempo nos EUA

As bolsas de Nova York fecharam em baixa nesta quarta-feira (6) com as ações de tecnologia puxando a queda. O apetite por risco se deteriorou diante de renovada perspectiva de juros restritivos por mais tempo nos Estados Unidos, após dado forte de atividade de serviços e declaração de dirigente do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano).

O índice Dow Jones fechou com baixa de 0,57%, aos 34.444,38 pontos; o S&P 500 perdeu 0,69% aos 4465,61 pontos; e o Nasdaq teve queda de 1,06%, aos 13872,47 pontos.

A leitura mais alta que o esperado do índice de gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) de serviço dos EUA, aferida pelo ISM, pesou no sentimento nesta sessão, ao sugerir que a política monetária americana pode precisar de maior aperto antes de a batalha contra a inflação ser dada como vencida.

A presidente da distrital de Boston do Fed, Susan Collins, alertou em discurso que juros ficarão restritivos por algum tempo, reforçando ainda mais essa perspectiva. “O resultante aumento nos rendimentos dos Treasuries fez com que o Nasdaq 100 caísse acentuadamente para mínimas da semana, seguido de perto pelo S&P 500”, comentou a CMC Markets.

No entanto, o Livro Bege sugeriu que a economia americana não deverá aquecer nos próximos meses, dando espaço para que o Fed evite subir mais suas taxas, disse o analista da Oanda Edward Moya ao Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado. As bolsas chegaram a reduzir perdas depois disso, mas não o suficiente para colocar os índices em território positivo.

Foi um dia especialmente negativo para as empresas de tecnologia de Wall Street. A notícia de que a União Europeia recomendou aos reguladores monitorar big techs ajudou a acrescentar pressão no setor, que teve o pior desempenho (-1,37%) entre os 11 do S&P 500. Liderando a queda do Dow Jones, a Apple recuou 3,58% antes da apresentação do iPhone na próxima terça-feira, 12, e após a China restringir o uso do smartphone por autoridades chinesas. Nvidia (-3,05%), Meta, Amazon (-1,39%) e Alphabet (-0,96%) também cederam.

Entre os ganhadores do dia, Salesforce 1,34% subiu na esteira de parceria com Genesys Cloud para lançamento de produto de inteligência artificial (IA).

Com informações do Estadão Conteúdo