Ibovespa fecha em forte alta, acima dos 118 mil, com disparada da Petrobras (PETR3; PETR4); dólar cai

O que afeta a bolsa de valores hoje: Ibovespa subiu com impacto do novo marco fiscal, aprovado na Câmara e que passa à sanção presidencial

A bolsa de valores registrou alta consistente nesta quarta-feira (23), com o mercado mantendo o bom humor registrado na sessão anterior. Assim, o Ibovespa fechou em alta de 1,70%, a 118.134 pontos.

Além disso, dentre as ações mais negociadas do pregão, destaque para a Petrobras (PETR3; PETR4). As preferenciais (PETR4) subiram 5,33% e as ordinárias (PETR3), 5,70%. As altas sucederam o lançamento de relatórios do Bank of America e do BTG Pactual, com recomendações de compra para os papéis.

Além disso, os investidores tem no radar a disputa envolvendo a exploração da Foz do Amazonas. Na terça (22), a Advocacia-Geral da União soltou um comunicado informando que a Avaliação Ambiental da Área Sedimentar (AAAS) não pode inibir licenciamento de empreendimentos de petróleo e gás natural. A manifestação ocorreu após uma solicitação do Ministério de Minas e Energia (MME).

A AGU citou o caso envolvendo a Foz do Amazonas e a Petrobras, apresentando uma proposta de conciliação entre os órgãos federativos envolvidos. O MME defende a exploração econômica do local. Já o Ministério do Meio Ambiente, aconselhado pelo Ibama, defende a preservação da área.

Dólar hoje

O dólar fechou em queda em relação ao real. A moeda norte-americana perdeu 1,73%, cotada a R$ 4,8554.

No cenário global, o dólar teve queda mais modesta. O DXY, índice que compara a moeda americana a outras divisas de referência, caiu 0,14%, a 103,41 pontos.

Ações em alta

A empresa que mais valorizou na bolsa nesta quarta-feira (23) foi a Zamp (ZAMP3), que subiu mais de 14%. A empresa foi beneficiada pelas notícias que o fundo soberano da Arábia Saudita, Mubadala, responsável por aporte recente na empresa, elevou sua participação para 17,4%. A Zamp é dona do Burger King.

Veja as ações que mais subiram no pregão desta quarta-feira.

  • Zamp (ZAMP3) +14,09%
  • TC (TRAD3) +10,29%
  • Tenda (TEND3) +14,09%
  • Infracommerce (IFCM3) +8,11%
  • São Martinho (SMTO3) +7,64%

Ações em baixa

Entre as maiores baixas do dia, estão as ações do GPA (PCAR3), dono do Pão de Açúcar. Os papéis caíram mais de 19%. O principal evento envolvendo a empresa nesta quarta foi a distribuição da maior parte das ações que a empresa detinha do Grupo Éxito, da Colômbia.

Veja quem teve as maiores quedas na bolsa hoje.

  • GPA (PCAR3) -19,41%
  • Sequoia (SEQL3) -8,89%
  • Grupo SBF (SBFG3) -8,89%
  • Viver (VIVR3) -3,84%
  • Copasa (CSMG3) -3,69%

Os rankings de maiores altas e baixas da bolsa envolve ações que tiveram volume acima de R$ 1 milhão. As cotações foram apuradas entre as 17h25 e 17h33 desta quarta e estão sujeitas a atualizações.

Arcabouço fiscal e os impactos na bolsa de valores hoje

Os ativos de risco do Ibovespa foram beneficiados nesta quarta-feira pela aprovação do novo marco fiscal, que substituirá o teto de gastos, criado em 2016. Inclusive, a ideia do arcabouço fiscal é manter as despesas abaixo das receitas todos os anos. Havendo sobras, portanto, o destino dos recursos deve ser apenas novos investimentos, e não o aumento de gastos.

O texto, aprovado na Câmara na noite de terça-feira (22), deixou de fora do limite de despesas do Poder Executivo, os gastos com o Fundo Constitucional do Distrito Federal (FCDF) e com o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb).

Se o patamar mínimo para a meta de resultado primário, a ser fixado pela Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), não for atingido, o governo deverá, obrigatoriamente, adotar medidas de contenção de despesas.

Bolsas mundiais

As bolsas de Nova York fecharam em alta após o recuo maior do que o esperado no índice de gerentes de compras (PMIs) dos Estados Unidos. O resultado reforça as expectativas de que o Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) pode estar perto de encerrar o seu ciclo de aperto monetário. O mercado acionário também recebeu o apoio do alívio nos rendimentos dos Treasuries (títulos do governo dos EUA), que vinham afastando os investidores das bolsas de Wall Street nos últimos dias.

O índice Dow Jones fechou em alta de 0,54%, a 34.472,98 pontos; o S&P 500 subiu 1,10%, a 4.436,01 pontos; o Nasdaq avançou 1,59%, a 13.721,03 pontos.

Os mercados acionários da Europa fecharam em alta após os dados do índice de gerente de compras (PMI, na sigla em inglês) de Alemanha, Reino Unido e zona do euro mostrarem atividade aquém do esperado pelo mercado em agosto, alimentando expectativas de que os bancos centrais europeus sejam menos rígidos em suas políticas monetárias.

Em Londres, o FTSE 100, subiu 0,68% a 7.320,53 pontos, enquanto o índice DAX, em Frankfurt, fechou em alta de 0,15%, a 15.728,41 pontos. O CAC 40, em Paris, avançou 0,08%, a 7.246,62 pontos, e o FTSE MIB, em Milão, fechou em alta de 0,24%, a 28.233,80 pontos. Já em Madri, o índice Ibex 35 subiu 0,06%, a 9.319,90 pontos. Na Bolsa de Lisboa, o PSI 20 avançou 0,08% a 6.020,24 pontos. As cotações são preliminares.

Com informações da Agência Câmara de Notícias e do Estadão Conteúdo