Americanas (AMER3) segue perdendo clientes e fechando lojas

Varejista em recuperação judicial fechou maio com R$ 1,178 bi em caixa; prazo de pagamento a credores caiu a 4 dias

A Americanas (AMER3) fechou maio com caixa disponível de R$ 1,178 bilhão, ante R$ 1,05 bilhão em abril. Mas o montante foi 38% menor do que em junho de 2022, segundo relatório mensal dos administradores da recuperação judicial da varejista.

Segundo o documento apresentado à Justiça e à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) nesta segunda-feira, a companhia “segue honrando suas obrigações correntes e que manterá tal condição durante o curso da recuperação judicial”.

A Americanas pediu recuperação judicial em janeiro passado, após ter revelado inconsistências contábeis de cerca de R$ 20 bilhões relativos a dívidas envolvendo fornecedores e bancos.

Ainda de acordo com o documento, a Americanas estabilizou sua operação e retomou “o fornecimento com praticamente todos os fornecedores”.

O prazo de pagamento a fornecedores, porém, voltou a diminuir, chegando a 4 dias em maio. No fim de 2022, esse número era de 122 dias.

O documento ainda revelou que a Americanas encerrou maio com 1.842 lojas, 9 a menos do que no mês anterior. Neste ano, já foram fechadas 40 do grupo, que também teve queda de 9,9% no número de clientes ativos em maio em comparação com dezembro de 2022.

Por volta das 11h55, as ações da companhia operavam estáveis na B3, cotadas a R$ 1,17. Em 20 de janeiro, na despedida do Ibovespa, os papéis fecharam o pregão negociados a R$ 0,71.