Sensação da Bolsa em dia de balanço, WEG (WEGE3) ainda não bateu no teto, dizem Itaú e Credit Suisse

Por volta das 15h35, a empresa registrava alta de quase 9% na Bolsa, atingindo R$ 38,20, a maior alta entre empresas com grandes volumes

A WEG (WEGE3) ocupa lugar de destaque entre as empresas que apresentam boa valorização na Bolsa nesta quarta-feira (26), dia de apresentação de alguns balanços.

Os resultados trimestrais da empresa, especializada em motores elétricos para a indústria e outros maquinários, surpreenderam positivamente os investidores.

Por volta das 15h35, a empresa registrava alta de quase 9% na Bolsa, atingindo R$ 38,20, a maior alta entre empresas com grandes volumes. A WEG é uma das três empresas da bolsa que nunca deram prejuízo.

O Itaú BBA tem recomendação de compra para as ações da WEG, com preço-alvo de R$ 40, potencial de alta de 7,6% ante o valor negociado no momento na B3.

Segundo o banco, os resultados da WEG do terceiro trimestre superaram as expectativas mais otimistas, com receita, margem Ebitda e retorno sobre capital investido mais fortes do que o previsto, podendo levar a revisão para cima nas projeções, avalia o Itaú BBA, em relatório.

Os analistas Daniel Gasparete, Gabriel Rezende e Luiz Cappistrano escrevem que a WEG não enfrentou fatores contrários do potencial cenário macroeconômico global mais desafiador.

Segundo eles, os equipamentos industriais foram destaque no mercado interno, com receitas crescendo 11% acima das estimativas devido à demanda robusta por equipamentos de ciclo curto dos segmentos de agronegócio e mineração, enquanto o desempenho nos mercados externos veio dentro do previsto.

Já a rentabilidade foi boa, escrevem os analistas, com margem bruta atingindo 30,6%, acima as estimativas e uma melhora robusta em base anual e trimestral, com retorno sobre capital investido de 27,9%, apesar de um aumento de 44% nos investimentos no trimestre. “Permanecemos otimista sobre o nome e vemos espaço para revisar nossas estimativas para cima.”

WEGE3 pode ganhar mais 10%

O Credit Suisse tem recomendação de compra para as ações da WEG, com preço-alvo de R$ 41, potencial de alta de 10% ante o valor negociado há pouco.

Os analistas Regis Cardoso, Marcelo Gumiero e Henrique Simões destacam a posição de caixa forte da WEG no trimestre, bem como o desempenho da divisão de equipamentos eletroeletrônicos industriais, com crescimento na receita refletindo a demanda forte no mercado interno e boa carteira de pedidos no externo, incluindo Europa.

Além disso, dizem os analistas, a WEG tem oportunidades em eficiência energética, na medida em que a atual crise energética na Europa, com altos preços do gás e contas de energia, levou empresas e investidores a buscarem alternativas.

Santander e Bradesco

O Santander surge como opinião dissonante, ao avaliar que as ações da empresa chegaram ao pico e tendem a apresentar queda. O banco reconhece a Weg como “surpresa positiva”, mas crê que as ações chegaram à sua valorização máxima na Bolsa no curto prazo.

 O banco tem recomendação neutra para as ações da WEG e preço-alvo de R$ 32, valor que representa uma queda de cerca de 15% sobre a cotação registrada há pouco.

O Bradesco BBI também vê uma queda no valor da ação para 2023 de quase 5% sobre a cotação atual e manteve a recomendação neutra.

Ainda assim, o banco elevou o preço-alvo para as ações em 2023 de R$ 35 para R$ 36.