Mercado hoje: Ibovespa tem nona alta semanal seguida, maior sequência em quase 7 anos; dólar avança a R$ 4,77

Ibovespa fechou em alta; é a melhor sequência desde agosto de 2016

Após emplacar altas que levaram o Ibovespa a romper a barreira dos 120 mil pontos depois de mais de um ano, os investidores voltaram a apresentar restrições a investimentos em ativos de risco. O mercado hoje registrou forte queda no começo do dia. Porém, o cenário mudou ao longo desta sexta-feira (23), com o Ibovespa fechando o dia em alta de 0,04%, a 118.977,10 pontos.

Com isso, o índice mais importante da Bolsa fechou a semana em alta de 0,18%, acumulando nove altas semanais consecutivas, a maior desde agosto de 2016.

Já o dólar fechou em alta em dia de bastante oscilação entre os campos positivo e negativo, subindo 0,12% no fechamento, cotado a R$ 4,7779.

Ações

As petroleiras registraram perdas nesta sexta, ainda que tenham reduzido o prejuízo ao longo da sessão. A Prio desceu 0,23%. A 3R recuou 1,86%.

Já a Petrobras aumentou seu prejuízo ao longo do pregão, com perdas de 4,10% para as ações preferenciais (PETR4) e de 3,39% para as ordinárias (PETR3).

As principais quedas do Ibovespa ficaram com Yduqs (-7,99%) e Via (-4,42%), empresas especialmente atingidas pela quebra da expectativa de um afrouxamento na política de juros, já que são empresas com alto endividamento.

Ibovespa sobe, mas há incertezas

O bom desempenho da Bolsa, entretanto, passará por um teste a partir da semana que vem. O sentimento negativo se espalhou pelos mercados nacional e global nos últimos dias por conta das decisões relacionadas aos juros.

No Brasil, o Banco Central manteve a taxa de juros em 13,75%, resistindo às cobranças por queda na Selic como meio de incentivar o crescimento econômico do país mesmo após dados positivos de inflação e aumento da credibilidade do país diante da agência de risco S&P, que colocou o Brasil em patamar ‘positivo’ depois de mais de três anos.

Na Inglaterra, o noticiário também está relacionado ao patamar de juros. Na quinta, o Banco da Inglaterra (BoE, na sigla em inglês) aumentou novamente as taxas de juros, para 5% ao ano. A inflação no país vem caindo, mas ainda mantém patamares elevados: 8,7% em abril. Em março, o principal índice de preços local estava em 10,1%.  

Juros afetaram mercado hoje

O aumento dos juros em 0,50 ponto percentual veio acima do esperado pelos analistas, que tinham como expectativa um aumento de 0,25.

Segundo o BoE, “haverá ocasiões em que a inflação sairá da meta como resultado de choques e distúrbios. A política monetária garantirá que a inflação retorne à meta de 2% de forma sustentável no médio prazo”.

Na zona do euro, outra notícia que tem afetado os mercados é o índice de gerente de compras (PMI), teve o seu menor nível em meses, de acordo com dados preliminares da S&P.