Carteira Top 5: Itaú BBA troca Banco do Brasil (BBAS3) por Sabesp (SBSP3)

Estrategistas do banco apontam chance de privatização da companhia de saneamento e bom ponto de entrada

A Sabesp (SBSP3) voltou a integrar a carteira Top 5 do Itaú BBA, com recomendações para capturar oportunidades de médio prazo na bolsa. Segundo relatório divulgado na terça-feira (16), as ações da companhia de saneamento de São Paulo entram na lista no lugar dos papéis do Banco do Brasil (BBAS3).

Fazem parte da composição também B3 (B3SA3), Equatorial (EQTL3), Minerva (BEEF3) e Prio (PRIO3).

“Em dezembro de 2022, optamos por retirar a Sabesp da carteira Top 5 porque temíamos que eventuais discussões sobre mudanças regulatórias no mercado de saneamento poderiam limitar o potencial de valorização da companhia no curto prazo”, escrevem os estrategistas Victor Natal e Paulo Folha.

“Após observarmos os desdobramentos dessas discussões, agora estamos mais confiantes nas perspectivas para o setor de saneamento”, apontam.

Os especialistas destacam que “o Banco do Brasil teve uma performance excepcional, enquanto esteve na carteira”. “As ações da companhia valorizaram 8,1% desde janeiro deste ano, quando adicionamos o BB à Top 5, enquanto o Ibovespa desvalorizou 5,9%”, comentam.

“O bom resultado é fruto, principalmente, do momento operacional positivo pelo qual o banco está passando, conseguindo mostrar resultados crescentes mesmo em um cenário econômico desafiador. Apesar de ainda avaliarmos que o BB deve continuar a mostrar números fortes, o patamar de preço atual parece já refletir boa parte dessa expectativa – além de o nível de desconto para outros bancos estar abaixo da média histórica”, explicam Victor Natal e Paulo Folha.

“Já falando sobre Sabesp, além do ambiente mais benigno para empresas de saneamento, sinalizações de que o processo de privatização da companhia deve seguir têm nos deixado mais positivos com o papel”, esclarecem.

“Além disso, o preço atual das ações nos parece um bom ponto de entrada, mesmo em um cenário em que a privatização não se materialize”, completam os profissionais do Itaú BBA.