Bolsas da Europa fecham em leve queda diante de sinais de desaquecimento da economia global

O fato de os Estados Unidos estarem perto de um default está aumentando o sentimento de risco ao redor do globo

As bolsas europeias encerraram o pregão desta terça-feira em queda modesta na maioria dos principais mercados da zona do euro.

Por lá, investidores mantiveram postura cautelosa após indicadores da região, ao monitorarem, também, o desempenho mais fraco que o esperado de indicadores da economia chinesa.

Índices das bolsas europeias

O índice pan-europeu Stoxx 600 fechou em queda de 0,42%, a 464,70 pontos. Em Frankfurt, o DAX recuou 0,12%, a 15.897,93 pontos, e o parisiense CAC 40 cedeu 0,16%, a 7.406,01 pontos.

Fora da zona do euro, o índice FTSE 100, da bolsa de Londres, terminou o dia em queda de 0,34%, a 7.751,08 pontos.

O pregão começou já sem fôlego após o Escritório Nacional de Estatísticas (NBS, na sigla em inglês) da China informar que as vendas no varejo do país subiram 18,4% na comparação anual de abril, abaixo da expectativa de alta de 20,5%.

Segundo o analista Michael Hewson, da CMC Markets, o dado pesou sobre ações europeias dos setores de bens luxuosos e recursos básicos. Em Paris, os papéis da Louis Vuitton terminaram o dia em queda de 0,58%.

PIB preliminar da zona do euro

Também saiu hoje a leitura preliminar do Produto Interno Bruto (PIB) da zona do euro, que mostrou crescimento de 1,3% no primeiro trimestre, desacelerando ante o ganho de 1,8% do trimestre anterior.

Economia alemã

Já o índice de confiança econômica na Alemanha caiu para -10,7 em maio, segundo o instituto Zew.

O resultado veio bem pior do que a queda esperada, para -5,0. Para o analista Claus Vistesen, da Pantheon Macroeconomics, o dado sugere que o crescimento da principal economia europeia “estagnou”.

“Uma recessão na Alemanha não é o nosso cenário base, mas a economia tem andado na ponta dos pés em torno de uma desde o quarto trimestre, então, ao fim, será uma questão de arredondamento e revisões dos números trimestrais do PIB”, diz o economista em nota.

Reino Unido

O desempenho abaixo de pares da bolsa londrina se deu diante da pressão exercida pela ação da Vodafone, empresa britânica de telefonia que divulgou balanço que decepcionou investidores. Os papéis da companhia sofreram um tombo no pregão de hoje, ao recuarem 7,44%.

A Vodafone ainda anunciou planos de cortar 11 mil postos de trabalho ao longo dos próximos 3 anos. Segundo Hewson, da CMC Markets, a ação da companhia chegou a operar no seu menor valor de mercado em 16 anos.