Bolsas da Europa operam mistas, de olho em juros e inflação dos EUA; em Paris, LVMH tomba 6,5%

Investidores seguem atentos a autoridades do Fed para projetar o rumo dos juros dos EUA

As bolsas europeias operam sem direção única na manhã desta quarta-feira (11), enquanto investidores aguardam mais comentários do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) e dados da inflação americana para avaliar a trajetória dos juros na maior economia do mundo. Em Paris, ações do setor de luxo sofrem fortes perdas, após a LVMH decepcionar com seu último resultado de vendas.

Leia: Guerra em Israel, inflação no Brasil e ata da reunião do FED estão no radar do investidor

Por volta das 6h45 (de Brasília), o índice pan-europeu Stoxx 600 tinha ligeira alta de 0,11%, a 452,87 pontos, depois de saltar quase 2% no pregão anterior, assegurando o maior ganho em 11 meses.

Investidores seguem atentos a autoridades do Fed para projetar o rumo dos juros dos EUA. Nos últimos dias, alguns deles sugeriram que o BC americano deverá deixar seus principais juros inalterados no curto prazo, em parte porque o recente salto nos rendimentos dos Treasuries reduziu a necessidade de mais aperto monetário. Na terça, os retornos dos Treasuries recuaram de forma significativa, e a tendência de baixa se mantém nesta quarta.

Agenda de hoje

A agenda de hoje traz a participação em eventos de ao menos quatro dirigentes do Fed ao longo do dia. Além disso, os EUA publicam dados sobre inflação ao produtor (PPI), um dia antes dos números sobre inflação ao consumidor (CPI), que têm peso maior nas decisões do Fed.

Já à tarde, quando os negócios com ações europeias já estiveram encerrados, o Fed divulga ata de sua reunião de política monetária de setembro, quando manteve seus juros na faixa de 5,25% a 5,50%.

De volta ao continente europeu, pesquisa da Destatis confirmou mais cedo que a taxa anual do CPI da Alemanha desacelerou para 4,5% em setembro, de 6,1% no mês anterior.

A questão do conflito entre Israel e o grupo militante Hamas também segue no radar, embora seu impacto pareça ter se limitado a um avanço pontual do petróleo, no começo da semana.

Às 6h58 (de Brasília), a Bolsa de Londres subia 0,04%, a de Paris caía 0,60% e a de Frankfurt avançava 0,02%. Já as de Milão e Lisboa tinham ganhos de 0,23% e 1,38%, respectivamente, enquanto a de Madri recuava 0,24%.

Em Paris, a ação da LVMH tombava 6,5%, após a gigante de luxo francesa divulgar que sua receita teve avanço anual de 9% no terceiro trimestre, menor do que o ganho de 17% do segundo trimestre e abaixo da previsão de analistas, de alta de 11%. Outras empresas do segmento de luxo francês ficaram pressionadas, caso da Hermès (-1,8%) e da Kering (-2%).

Com informações do Estadão Conteúdo e Dow Jones Newswires.