Bolsas da Ásia fecham em baixa, após dados dos EUA justificarem novas altas de juros

Perspectiva de mais aperto monetário levou as bolsas de Nova York a ficar no vermelho pelo segundo dia consecutivo na quinta-feira (6)

As bolsas asiáticas fecharam em baixa nesta sexta-feira, 7, estendendo perdas dos dois pregões anteriores, à medida que dados fortes de emprego e serviços dos EUA reforçaram expectativas de mais altas dos juros americanos e pesaram em Wall Street ontem.

Liderando as perdas na região, o índice japonês Nikkei caiu 1,17% em Tóquio, a 32.388,42 pontos, enquanto o sul-coreano Kospi recuou 1,16% em Seul, a 2.526,71 pontos, o Hang Seng teve queda de 0,90% em Hong Kong, a 18.365,70 pontos, e o Taiex registrou perda de 0,58% em Taiwan, a 16.664,21 pontos.

Na China continental, o Xangai Composto encerrou o pregão em baixa de 0,28%, a 3.196,61 pontos, e o menos abrangente Shenzhen Composto cedeu 0,67%, a 2.030,40 pontos.

Nos EUA, em junho, o setor privado criou quase o dobro de empregos que se esperava, enquanto o PMI de serviços medido pelo ISM avançou bem mais do que o previsto, preparando o terreno para que o Federal Reserve (Fed, o banco central americano) volte a elevar seus juros básicos, após a pausa na reunião do mês passado. A perspectiva de mais aperto monetário levou as bolsas de Nova York a ficar no vermelho pelo segundo dia consecutivo ontem.

Nesta sexta, investidores na Ásia e em outras partes do mundo aguardam o relatório de emprego dos EUA, o chamado payroll, que abrange os setores privado e público.

Também no radar, está uma visita da secretária do Tesouro dos EUA, Janet Yellen, à China, numa tentativa de aliviar tensões bilaterais. Em discurso hoje, Yellen demonstrou preocupação com barreiras impostas por Pequim a empresas americanas.

Na Oceania, a bolsa australiana seguiu o tom negativo da Ásia e de Wall Street, com queda de 1,69% do S&P/ASX 200, a 7.042,30 pontos.

Com informações do Estadão Conteúdo.