Ibovespa fecha em alta, acima dos 124 mil pontos, com virada da Vale e Petrobras em queda; dólar sobe

Saiba quais ações além da VALE3 ajudaram o Ibovespa a renovar recorde anual

A bolsa de valores hoje fechou em alta, na mesma direção do dólar, que virou para o campo positivo depois de passar boa parte do pregão no vermelho. Dessa maneira, o principal índice da bolsa sustentou mais uma valorização e renovou a máxima de 2023, que já havia sido alcançada na terça.

Assim, no fechamento desta quinta-feira (16) o Ibovespa subiu 1,20%, a 124.639,24 pontos. Anteriormente, na máxima do dia, o índice havia alcançado 124.736,97 pontos.

Dólar hoje

Enquanto isso, o dólar fechou em alta na relação com o real. A moeda norte-americana subiu 0,17%, a R$ 4,8701, revertendo parte da queda da terça-feira, quando desceu 0,93%. Na mínima desta quinta, a moeda chegou a cair a R$ 4,83, mas se recuperou.

Por outro lado, no cenário internacional, o DXY, índice que compara a moeda dos EUA com outras divisas importantes, recuou 0,04%, a 104,34 pontos.

Ações em alta

O Magazine Luiza se destacou entre as ações da bolsa de valores hoje, subindo mais de 24% no fechamento. A empresa foi acompanhada pela concorrente Casas Bahia e por empresas de tecnologia, saúde e logística. Veja a lista das cinco ações que mais subiram no dia.

  • Magazine Luiza (MGLU3) +24,43%
  • Casas Bahia (BHIA3) +11,54%
  • Multilaser (MLAS3) +10,50%
  • Sequoia (SEQL3) +10,42%
  • Kora Saúde (KRSA3) +10,23%

Ações em baixa

Simultaneamente, outra varejista ficou com a pior posição entre as ações da bolsa. A Mobly perdeu mais de 8% do seu valor. A empresa foi seguida pela JHSF. Confira a lista das empresas em baixa na bolsa nesta quinta.

  • Mobly (MBLY3) -8,33%
  • JHSF (JHSF3) -7,37%
  • Rede Energia (REDE3) -6,56%
  • Pine (PINE4) -4,65%
  • Azevedo e Travassos (AZEV4) -4,29%

Os rankings contemplam ações que movimentaram mais de R$ 1 milhão no dia, pertencentes ou não ao Ibovespa e outros índices. As cotações foram apuradas às 18h07, depois do fechamento, mas podem ter atualizações.

Para ver as maiores altas hoje entre as gigantes da bolsa, que compõem o Ibovespa, acesse aqui.

Bolsas mundiais

Os mercados acionários de Nova York fecharam hoje sem direção única, após passarem grande parte do pregão em queda, na esteira de diversos discursos de dirigentes do Federal Reserve (Fed), que reforçaram que ainda não há decisão firmada sobre a trajetória de juros dos Estados Unidos, e após dados mais fracos que o esperado da economia do país.

Assim, o índice Dow Jones caiu 0,13%, aos 34.945,47, pontos, o S&P 500 avançou 0,12%, aos 4.508,26 pontos e o Nasdaq fechou em alta de 0,07%, aos 14.113,67 pontos.

Da mesma maneira, na Europa, o dia foi de desempenhos mistos.

O índice FTSE 100, referência na Bolsa de Londres, encerrou a sessão em baixa de 1,01%, a 7.410,97 pontos. Em Paris, retração de 0,57% do CAC 40, aos 7.168,40 pontos, na mínima do dia. Na contramão dos negócios franceses, o índice DAX, de Frankfurt, ganhou 0,24%, a 15.786,61 pontos.

Entre outras praças, o FTSE MIB, de Milão, caiu 0,71%, a 29.258,10 pontos, na mínima do dia. Já o PSI 20, de Lisboa, recuou 0,81%, a 6.247,63 pontos, enquanto o Ibex 35, de Madri, se valorizou 0,34%, a 9.673,20 pontos. As cotações são definitivas.

Petrobras em queda na bolsa de valores hoje

A bolsa de valores hoje no Brasil também foi afetada pelo comportamento das commodities e empresas relacionadas a elas.

O petróleo Brent teve queda de quase 5%. Com isso, as ações da Petrobras caíram 1,74% (PETR4) e 2,02% (PETR3). A Prio (PRIO3) teve desvalorização de 3,53% e a 3R (RRRP3) desceu 2,58%.

Empresas que mantiveram o Ibovespa em alta

Por outro lado, o minério de ferro rompeu a barreira dos US$ 130 e registrou a sétima alta consecutiva. Assim, as ações da Vale (VALE3) fecharam em alta de 0,67% depois de passar boa parte do pregão em queda.

Nesse sentido, a CSN (CSNA3) subiu 6,91%, a CSN Mineração (CMIN3) teve alta de 6,26% e a Usiminas (USIM5) avançou 7,21%. Por isso, as companhias ajudaram a manter o Ibovespa em patamar recorde no ano.

Economia local no radar

Além disso, há divulgação, na sexta-feira, do IBC-Br, índice do Banco Central que funciona como uma prévia do PIB. Isso deve mexer com os mercado no último pregão da semana. A divulgação estava marcada para esta quinta, mas foi adiada por conta de uma mobilização dos servidores do BC.

Com informações do Estadão Conteúdo