Ações da Oi (OIBR3) aprofundam perdas e despencam 32% com pedido de proteção contra credores

O movimento acontece após a empresa confirmar que entrou com pedido de tutela de urgência cautelar na Justiça do Rio de Janeiro

As ações ordinárias da Oi (OIBR3) fecharam o pregão desta quinta (2) com queda de 31,77%, cotadas em R$ 1,61, enquanto as preferenciais (OIBR4) desvalorizaram 27,55%, a R$ 3,68, aprofundando as perdas que já estavam sendo registradas ao longo da manhã e da tarde. .

O movimento acontece após a empresa confirmar que entrou com pedido de tutela de urgência cautelar na Justiça do Rio de Janeiro, no contexto das discussões e tratativas com credores da empresa, envolvendo uma potencial renegociação de certas dívidas.

O resultado colocou as ações da Oi entre as piores do pregão da B3. Logo atrás, aparece a Americanas (AMER3), que interrompeu seu ciclo de altas – que durava uma semana – e voltou a desvalorizar.

Pedido de suspensão de obrigações

Segundo a Oi, o pedido, que está em segredo de justiça, visa a suspensão da exigibilidade de certas obrigações, visando a proteção do seu caixa a continuidade das negociações com os seus credores de forma equilibrada e transparente.

O documento, acessado pelo Valor, aponta que a Oi tem dívidas financeiras de R$ 29 bilhões, com os advogados afirmando que a estrutura de capital permanece insustentável mesmo após o processo de recuperação judicial.

A Oi vinha negociando a reestruturação de sua dívida, mas não conseguiu chegar a um acordo final com seus principais credores financeiros.