Ações de aéreas: Azul (AZUL4), Gol (GOLL4) e CVC (CVCB3) fecham em queda firme com realização de lucros

Movimento representa cautela antes de decisões de política monetária

As ações das empresas ligadas ao setor aéreo e turismo encerraram o pregão desta terça-feira (13) da bolsa brasileira com perdas firmes. Os papéis da Azul (AZUL4) caíram 4,42% (R$ 18,36); da Gol (GOLL4) recuaram 5,03% (R$ 10,00); e da CVC (CVCB3) cederam 6,90% (R$ 4,18).

O movimento na sessão representa uma realização de lucros após altas consistentes das companhias desde o começo de maio. No mês, as ações da Azul acumulavam um avanço de 10%. Os papéis da Gol saltavam perto de 20%. Já os da CVC se aproximavam de 30% de valorização.

A perspectiva de retomada mais forte do turismo, a chance de corte antecipado da Selic e a queda do dólar estão entre os fatores que têm favorecido as companhias.

Nesta terça, no entanto, predominou uma posição de cautela antes das decisões de política monetária nos Estados Unidos e no Brasil. O Ibovespa voltou a cair após uma sequência de sete altas consecutivas.

Lá fora, a expectativa é que o Federal Reserve (o banco central norte-americano) mantenha a taxa de juros no patamar atual, na faixa entre 5% e 5,25%. A plataforma de monitoramento do CME Group mostrava, apesar disso, a possibilidade de o Fed voltar a subir os juros em 0,25 ponto percentual em julho.

Aqui, o presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, deu declarações de que o início do ciclo de cortes da Selic está mais perto. Sem citar um prazo e falando a empresários do varejo, Campos Neto pediu paciência.

“Parte das narrativas que são construídas têm uma ansiedade legítima, de que os juros são altos. O Brasil sempre teve o juro real alto, mas a coisas estão se encaminhado de forma positiva. Peço um pouco de paciência de todos”, declarou.