Operação da WEG (WEGE3) na China pode crescer até 20% em 2024, dizem analistas

WEG detém 2,9% do mercado chinês de motores de baixa tensão e não possui um concorrente local

A implantação de operações verticalizadas na WEG (WEGE3) na China aumentou sua lucratividade, tornando-a uma das unidades de maior faturamento fora do Brasil, e o Citi está otimista com o potencial para crescimento considerável da participação de mercado na região, em especial no negócio de motores de baixa tensão e alta eficiência, diz o banco, em relatório.

As ações da empresa caíam 0,79% por volta das 13h desta quinta-feira (18), cotadas a R$ 39,15. Em 12 meses, porém, as ações subiram 50,49%, uma valorização de R$ 13,14 no período.

Os analistas Andre Mazini, Renata Cabral e Hugo Soares escrevem, após reunião virtual com executivos da empresa, que a reabertura gradual do mercado na China no primeiro semestre deve ter impacto negativo no crescimento do ano corrente, mas a WEG na China tem todas as condições para entregar uma taxa de crescimento de 18% a 20% em 2024.

Sem concorrência local na China

Segundo eles, a WEG detém 2,9% do mercado chinês de motores de baixa tensão, que tem um mercado potencial de US$ 4,1 bilhões no país, ainda sem concorrente local, e com participação de mercado comparável aos concorrentes europeus. A WEG planeja expandir sua linha de produtos focando em motores de baixa tensão de alta eficiência, dizem.

Por outro lado, os executivos da WEG identificaram a regionalização como um dos grandes desafios para fazer negócios na China, e afirmaram que a WEG está aprimorando suas estratégias de promoção de produtos contratando pessoas locais para fortalecer suas parcerias de negócios, ressaltam os analistas.

O Citi tem recomendação de compra para as ações da WEG, com preço-alvo de R$ 47, potencial de alta de 19% ante o fechamento de ontem na B3.