Oi (OIB3): Acionistas aprovam grupamento das ações na proporção 10 para 1

O capital social da Oi passará a ser representado por 660,3 milhões de ações, sendo 644,5 milhões ordinárias e 15,8 milhões preferenciais

Os acionistas da Oi (OIB3) aprovaram nesta quinta-feira, a proposta de grupamento da totalidade das ações ordinárias e preferenciais da companhia na proporção de 10 para um.

Segundo comunicado divulgado, o objetivo do grupamento é enquadrar a cotação das ações da companhia em um valor igual ou superior a R$ 1,00 por papel, conforme exigido pelo regulamento da B3.

O capital social da Oi passará a ser representado por 660,3 milhões de ações, sendo 644,5 milhões ordinárias e 15,8 milhões preferenciais.

Entre os dias 02 de dezembro de 2022 e 06 de janeiro de 2023, os acionistas poderão ajustar as suas posições acionárias para que a quantidade de papéis detidos seja múltipla de 10.

A partir do dia 9 de janeiro de 2023, as ações da Oi serão negociadas exclusivamente grupadas na proporão definida.

As eventuais frações de ações resultantes após o Período de Livre Ajuste serão reagrupadas em números inteiros de ações e vendidas na B3. O valor obtido com esse leilão será dividido de forma proporcional aos respectivos titulares.

As ações de emissão da Companhia negociadas na forma de American Depositary Shares (ADSs) não serão grupadas, de forma que as paridades dos ADSs com as ações locais sofrerão um ajuste, visando a manutenção do total de ADSs. Assim, cada ação ordinária passará a representar duas ADSs ON, enquanto uma ação preferencial será equivalente a 10 ADSs PN.

A proposta era um dos oito itens que constavam na pauta da assembleia geral extraordinária (AGE).

Numa primeira convocação, em 18 de novembro, faltou quórum para instalar a assembleia.

Na época, estiveram presentes à AGE virtual acionistas detentores de 12% do capital votante da operadora. Em segunda convocação a pauta poderia ser posta em votação com qualquer número de acionistas presentes.