De olho no bolso do coelhinho: como economizar no ovo de Páscoa?

Veja também um comparativo dos preços dos ovos com o salário mínimo ao longo dos últimos cinco anos

Todos os anos, entre os meses de março e abril, os comércios ficam cheios com exposições de ovos de Páscoa espalhados pelo Brasil. E aí, pra quem curte esta época, a preocupação com os chocolates a serem presenteados começa a crescer — e o desespero com os preços também. Aliás, em 2023, com as altas taxas de inflação, não seria diferente. 

Segundo um levantamento do Procon, os preços dos ovos de Páscoa aumentaram em 37,8% em relação ao ano passado. A comemoração anual, apesar de bastante significativa e celebrada por muitos, pesa no bolso da maioria. 

Mas, quanto, exatamente, esses valores sobem? Será que tem tanta diferença assim mesmo?

Pensando nisso, a IF pesquisou o preço de 4 ovos de Páscoa, de 4 marcas diferentes, de 2019 até agora. Para isso, foi utilizado o levantamento anual do Procon SP, que reúne diversas marcas de chocolate e compara o valor dos ovos em várias lojas. Em seguida, com todos os preços reunidos, é feito uma média de quanto aquele ovo é vendido.

Além de obter uma comparação equilibrada entre o mesmo ovo de Páscoa, com a mesma pesagem, os produtos selecionados pela pesquisa tendem a ser mais em conta justamente por venderem em supermercados e lojas de conveniência. Se você ainda não decidiu qual ovo escolher, esse pode ser o momento ideal.

De 2019 a 2023, quão caro o preço do ovo de Páscoa ficou?

Das marcas selecionadas (Ferrero, Lacta, Nestlé e Garoto), o ovo de Sonho de Valsa (270g), da Lacta, foi o que mais aumentou durante os cinco anos — cerca de 56,9% —, com a maior alta em 2023, de 22,7% em comparação com o ano anterior. 

Já o segundo maior aumento geral ao longo dos anos, de 51,5%, foi da Ferrero, com o ovo Ferrero Rocher (365g). Inclusive, o maior aumento deste produto em específico foi em 2020, com 25,8%, saindo de R$ 78,99 para R$ 99,42.

Já o da Garoto, o ovo Talento Avelã (350g), ficou em terceiro lugar, com um crescimento do valor de cerca de 42,4% de 2019 até 2023. Aliás, o maior aumento foi em 2022, chegando a 41%.

E, por último, está a Nestlé com o ovo de KitKat (332g), que foi o que menos subiu de preço do ovo de Páscoa nos últimos 5 anos, tendo o maior aumento em 2021, com 28,4%, e uma queda brusca em 2020, com -25,9%. No total, ele aumentou apenas 18,83%.

E não foi só a Nestlé que apresentou queda.

  • Ferrero Rocher (365g) teve baixa de -2,9% em 2021;
  • Talento Avelã (350g) apresentou queda de -5,4% em 2020 e de -2,1% em 2023.

A gente sabe que estas baixas nos valores dos ovos de Páscoa podem até parecer insignificantes, mas acredite, fazem diferença no seu bolso.

E o poder de compra do consumidor?

Para entender melhor o quanto estes aumentos ou reduções nos valores dos ovos de Páscoa impacta nós, consumidores, é preciso observar qual foi a evolução do salário mínimo entre os anos de 2019 até 2023.

Leia a seguir

Leia a seguir

Desse modo, no período analisado, 2022 foi o ano em que houve o maior aumento do salário mínimo, de 10,2%, saindo de R$ 1.100 para R$ 1.212. Coincidentemente, também foi o ano em que o ovo de Páscoa, no geral, ficou mais caro: a média do aumento entre as 4 marcas que selecionamos, em 2022, foi de 21,5%.

Já em 2020, o aumento dos preços dos ovos, em relação a 2019, foi de 1,3% — o menor entre os anos selecionados —, enquanto que o do salário foi de 4,7%.

No ano de 2021, a diferença entre o salário e a média dos preços foi maior: o primeiro subiu 5,2%, e o segundo 12,2%. Neste ano, em 2023, o consumidor encontra um aumento de preço menor em relação aos outros anos, e um aumento do seu poder de compra: a média dos preços dos ovos aumentaram 6,2%, e o salário mínimo, 8,9%.

Veja o comparativo dos preços dos ovos com o salário mínimo ao longo dos últimos cinco anos

– Infográfico: Marcelo Andreguetti / Ilustração: Mayra Martins

Economizar na Páscoa é possível, sim!

Independentemente do tipo de ovo ou da marca, o poder de compra do consumidor não consegue acompanhar seus preços. Nesse cenário, então, como economizar?

Pode parecer uma tarefa muito difícil, mas, com algumas dicas, fica mais fácil. Mas, atenção: antes de se preparar para as compras, é importante levar em consideração, segundo Lai Santiago, planejadora financeira, o tamanho do ovo de Páscoa, o preço e o formato. Isso porque esses fatores podem alterar, principalmente, o preço do ovo, e vai de você analisar se compensa pagar mais caro por essas mudanças.

“Muitas vezes é mais vantajoso comprar chocolate em barra, que tem um apelo comercial menor nessa época, e tem preços mais baixos”, pontua Lai. Às vezes, abrir mão do ovo pode ser o ideal para você, ou talvez optar por uma opção mais barata. 

Passo a passo: como gastar menos com a Páscoa

Com isso em mente, pedimos a ajuda de alguns especialistas que separaram dicas para você conseguir economizar nesta Páscoa. Confira:

1. Tudo precisa de limite

Para Lai, é ideal que você avalie quanto dinheiro tem disponível para comprar, e assim, definir um teto de gastos que caiba no seu balanço financeiro.

2. Selecione antes quem receberá um ovo de presente

“Faça uma lista de pessoas que você deseja presentear com ovos de Páscoa e chocolates”, pontua a educadora financeira. Para a economista, essa dica te prepara para ir às compras sabendo exatamente o que vai adquirir, qual a quantidade e qual o valor máximo para gastar.

Além disso, Fabio Louzada, planejador financeiro e fundador da Eu me banco, lembra que, ao fazer isso, você também consegue decidir antes o tipo de ovo que comprará para cada um e, assim, fazer uma pesquisa mais detalhada. 

“Se é uma criança que não se importa com a qualidade do chocolate e está mais preocupada com o brinquedo que virá dentro, selecione as marcas que pode comprar e faça as pesquisas em cima desses produtos em específico”, exemplifica Louzada.

3. Pesquise as opções no mercado

Nada de comprar na primeira loja que você entrar, como lembra o educador financeiro. Pesquise nos comércios do seu bairro, na internet e em redes de supermercados. 

Lai também pontua que é sempre possível tentar fazer uma negociação com a loja para ter um desconto à vista. “Quando você busca alternativas de produtores locais, além de incentivar a economia da sua comunidade, é mais provável que você consiga melhores condições na compra caso o pagamento seja feito no Pix ou no dinheiro”, afirma. 

4. Já pensou em fazer ovo de Páscoa?

Fazer os próprios ovos, para Louzada, além de uma oportunidade de economizar, também é uma demonstração de dedicação e afeto para a pessoa que irá recebê-lo, e de fazer a economia girar. 

5. É melhor deixar as crianças em casa

Pode ser tentador, mas Lai lembra que levar os pequenos para o mercado pode ser a receita para entrar no vermelho. “Melhor deixar a turma em casa e ser rigoroso quanto aos critérios de seleção e ao teto de gastos”, conta.

Colaboração: Daniel Navas