Educação financeira para crianças: 4 aplicativos para gerenciar a mesada

Ferramentas tornam o contato com as finanças mais divertido para seus filhos

Desde os 10 anos de idade, Luigi Romano Morales, filho da publicitária Daniela Romano, tem contato com as finanças de uma maneira lúdica, mas responsável. A mesada é gerenciada por ele mesmo. Se o dinheiro acaba antes do tempo, o que é raro, significa que é hora de vender um brinquedo.

“Acredito que criar uma relação saudável com o dinheiro desde pequeno é essencial para a vida adulta”, ressalta Daniela.

Isso porque, para a publicitária, a criança precisa dar a devida importância para qualquer valor gasto, ter consciência ao usar, entender se o produto está caro ou barato, aprender a poupar e até quem sabe, projetar metas.

Porém, para tornar o planejamento mais leve e didático, a família divide as finanças de Luigi em três partes em um gráfico simples de pizza. “A maior parte do valor vai para os gastos básicos diários, como transporte e alimentação, e o que sobra é dividido em duas partes iguais: para gastos extras e investimento”, explica a publicitária.

Na prática, sabemos que nem sempre essa jornada é tão simples. A boa notícia é que a tecnologia pode ajudar. Separamos alguns aplicativos que ajudam na organização financeira dos filhos:

Mozper 

A Mozper é uma plataforma de educação financeira para gerir os gastos das crianças e adolescentes. Por meio de um aplicativo, os pais conseguem abrir uma conta digital e gerenciar as despesas por categorias, criar objetivos e recompensar, programar uma mesada automática e acompanhar todas as movimentações financeiras.  

Powpay 

Assim como a Mozper, a Powpay também oferece um aplicativo personalizável, com foco em desenvolver a inteligência financeira de crianças e adolescentes. É possível criar uma carteira digital com um cartão pré-pago disponível em diversas cores. A plataforma também tem opção de metas,

Meu banco 

A ideia do app é ser o “primeiro banco” da criança, mas sem de fato precisar abrir uma conta em uma instituição. O Meu banco funciona como uma ferramenta de planejamento e educação financeira. É possível criar uma conta fictícia em nome da criança, definir metas e até planejar retiradas – que no caso, saem do próprio bolso dos pais.  

Contas para menores 

Instituições e fintechs mais conhecidas também têm suas versões de contas para adolescentes, geralmente isentas de taxas e anuidades. Entre as opções do mercado estão a Conta Kids, do Inter; a nextJoy, da Next e a conta digital para menores de idade, do Itaú.