Saiba como calcular a sua inflação pessoal

A variação dos preços impacta cada pessoa ou família de maneira diferente. Fazendo o cálculo, você pode identificar os gargalos no seu orçamento e se planejar melhor

– Ilustração: Marcelo Andreguetti/IF

Pontos-chave

  • Renda, configuração familiar e hábitos de consumo definem a inflação de cada um
  • O cálculo pode ser feito manualmente ou com ajuda de plataformas

Em setembro deste ano, a inflação oficial do Brasil subiu 1,16%, o maior aumento para o mês desde 1994. A pandemia e outros fatores contribuíram para o cenário, fazendo com que a renda dos brasileiros valesse menos. “A inflação vai diminuindo o nosso poder de compra mês a mês. Na prática, voltamos com menos produtos do mercado porque o preço dos itens aumentou”, explica Renato Veloni, economista e professor de Macroeconomia no Ibmec SP. 

O aumento da inflação impacta diretamente no bolso das pessoas, variando de acordo com a cidade e outros fatores. Na Região Metropolitana de São Paulo, o custo de vida acumulou uma alta de 10,27% nos últimos 12 meses, maior patamar desde fevereiro de 2016, quando a variação era de 10,98%. Os dados foram divulgados pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), por meio do índice de Custo de Vida por Classe Social (CVCS). Apenas em setembro, o custo subiu 0,93%. 

Segundo o levantamento, a inflação está concentrada em itens como transporte, habitação e alimentação. “Esses são os itens que mais impactam as famílias, principalmente as de rendas mais baixas. São coisas que não conseguimos ficar sem”, ressalta Renato Veloni, do Ibmec SP. Calcular a sua própria inflação pode, portanto, te ajudar a lidar melhor com a situação. “Fazendo esse exercício de identificar onde a inflação mais pesa no bolso, você pode fazer ajustes e passar por esse período de maneira mais suave. Quem não fizer nada pode ter problemas financeiros”, explica o economista. 

Como fazer esse cálculo?

A inflação impacta cada pessoa ou família de maneira diferente. “Três coisas definem como a inflação será percebida: a renda, a configuração dessa família — se tem idosos ou crianças em idade escolar, por exemplo —, e os hábitos de consumo”, explica André Braz, coordenador dos Índices de Preço do Instituto Brasileiro de Economia (FGV IBRE).

Uma maneira simplificada de calcular a sua própria inflação é tomar como base as categorias incluídas no cálculo do IPCA, o principal índice brasileiro de inflação. Ele analisa nove grupos: alimentação, habitação, artigos de residência, vestuário, transporte, saúde e cuidados pessoais, despesas pessoais, educação e comunicação.

O ideal é que você separe seus gastos nessas categorias e use um intervalo como referência. Por exemplo: se deseja saber a sua inflação anual, calcule o quanto gastou em cada categoria no ano atual e no anterior. Somando tudo, você consegue saber a variação de um ano para outro em porcentagem. Essa é sua inflação pessoal.

Fizemos uma simulação para te ajudar a entender:

Nesse exemplo, a inflação pessoal anual foi de 9% e a categoria que mais variou foi a de comunicação (que representa gastos com telefonia móvel e fixa e internet), com 25% de aumento. Aqui vai um alerta: para acompanhar a inflação você deve manter um consumo estável – caso contrário, não estará medindo a variação pura de preços. “Inflação é quando consumimos as mesmas coisas e vemos que o orçamento está ficando mais comprometido. Por isso é importante acompanhar bem as despesas para não variar o volume consumido”, ressalta André Braz, da FGV IBRE. 

Uma outra opção é usar plataformas que automatizam os cálculos. Pelo portal da inflação da FGV IBRE você pode consultar sua inflação média mensal. O instituto monitora o comportamento do preço de vários produtos e serviços. O cálculo é feito com base no Índice de Preços ao Consumidor (IPC-Br) e nas informações de rendimento e despesas preenchidas pelo usuário. Segundo André, o acompanhamento é importante para identificar gargalos no orçamento. “Fazendo esse controle você consegue entender como cada categoria compromete sua renda, a variação de cada uma e envolver a família toda para diminuir gastos e não ser surpreendido”.


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 19.maio.2022 às 09h06
IGP-M desacelera para 0,39% na segunda prévia de maio, aponta FGV

Houve recuos nos preços ao produtor, ao consumidor e nos custos da construção

Redação IF Publicado em 17.maio.2022 às 07h26
Freio na economia chinesa deve fazer Brasil crescer menos

Analistas projetam expansão menor em 2023 e inflação global maior, também devido à guerra na Ucrânia e à alta de juros nos EUA

Redação IF Publicado em 16.maio.2022 às 12h23
Sondagem da XP vê inflação no fim de 2022 maior do que projeção do último Focus

Divulgação do relatório do Banco Central está paralisada por causa da greve dos servidores