Juros do cartão de crédito rotativo sobem para 355,2% ao ano

Inadimplência média das operações ficou estável em 2,5%

Ilustração representando Flutuações de juros em Cartão de Crédito
– Ilustração: Marcelo Andreguetti/IF

Pontos-chave

  • Rotativo é a linha de crédito pré-aprovada que inclui também saques
  • O sistema financeiro concedeu em fevereiro 0,6% menos empréstimos do que em janeiro

A taxa de juros do cartão de crédito rotativo variou de 346,3% ao ano em janeiro para 355,2% em fevereiro.

O rotativo é a linha de crédito pré-aprovada no cartão e inclui também saques feitos na função crédito do meio de pagamento. No caso de inadimplência do cliente, o banco deverá parcelar o saldo devedor ou oferecer outra forma para quitar a dívida em condições mais vantajosas dentro de 30 dias.

Já a taxa do parcelado do cartão variou de 172,5% para 174,3%.

Assim, a taxa de juros total do cartão de crédito variou de 67,3% para 73,2% em fevereiro. Nas contas do BC para o juro médio total, entra o cartão à vista, que não tem encargos.

A taxa de juros no cheque especial em fevereiro foi de 132,6% ao ano, vinda de 125,7% em janeiro.

Juro médio das operações de crédito sobe 0,4 ponto

A taxa de juros média anual cobrada pelo sistema financeiro nas operações de crédito variou de 25,3% em janeiro para 25,7% em fevereiro. Em 12 meses, houve recuo de 5,9 pontos percentuais.

A taxa cobrada das pessoas jurídicas, por sua vez, saiu de 18,3% para 18,4%. Para as pessoas físicas, a taxa ficou em 30,1%, vinda de 29,5%. Nos recursos livres, a taxa média variou de 35,3% em janeiro para 36,5% em fevereiro.

Diferença entre as taxas dos bancos

Já o spread, que mede a diferença entre as taxas que os bancos cobram nos empréstimos e o custo de captação desses recursos, saiu de 16,2 pontos percentuais em janeiro para 16,8 pontos em fevereiro.

Nas operações de crédito com pessoas físicas, o spread ficou em 21,8 pontos percentuais, contra 20,9 pontos em janeiro. No crédito às empresas, ficou em 8,6 pontos em fevereiro, contra 8,5 pontos no mês anterior.

Inadimplência das operações de crédito fica estável

A inadimplência média das operações de crédito ficou estável em 2,5% em fevereiro, na comparação com janeiro. Entre as empresas, a taxa média ficou em 1,4%, contra 1,4% em janeiro. Entre as famílias, foi 3,3%, contra 3,2% no mês anterior. No crédito com recursos livres, a inadimplência ficou em 3,3% (também 3,3% em janeiro). No crédito direcionado, foi 1,4%, ante 1,3% anteriormente.

Concessões de crédito caem 0,6%

O sistema financeiro concedeu em fevereiro 0,6% a menos em novos empréstimos e financiamentos, na comparação com janeiro. O número leva em conta as concessões totais em cada mês. Considerando a média por dia útil, houve alta de 6,7%.

As concessões para clientes corporativos subiram 2,5% contra o mês anterior, somando R$ 189,6 bilhões. Para as famílias, o sistema financeiro concedeu R$ 208,6 bilhões em novos empréstimos e financiamentos, queda de 3,2% em relação a janeiro.

Taxas pactuadas entre clientes

As concessões com recursos livres, em que as taxas são pactuadas livremente entre bancos e clientes, caíram 1,1%. Já as operações com recursos direcionados, que são regulamentadas pelo governo ou vinculadas a recursos orçamentários, aumentaram 5,2%.

Com conteúdo VALOR PRO, o serviço de informação em tempo real do Valor Econômico


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 16.maio.2022 às 16h08
Por dentro de uma reunião dos devedores anônimos

Irmandade ajuda as pessoas a se livrarem do vício das compras

Anne Dias Publicado em 13.maio.2022 às 07h00
Qual é o peso da sorte e do azar no mundo dos investimentos?

O antídoto contra esta sexta-feira (13) no seu bolso é a educação financeira

Redação IF Publicado em 12.maio.2022 às 12h41
Magalu lança conta digital sem mensalidade e cartão de crédito para empresas

A fintech Magalu anunciou nesta quinta-feira o lançamento de dois produtos, um cartão de crédito corporativo e uma operação de empréstimo pessoal para pessoas físicas

Valor Econômico Atualizado em 10.maio.2022 às 18h05
IR: restituição de quem deixou declaração para última hora poderá ser maior

Estratégia está sendo usada por contribuintes que apostam em alta no índice de correção dos valores que precisam ser repassados pela União