Dobra o número de pessoas que atrasam o pagamento do crédito rotativo; veja como evitar essa situação

Os juros de 350% ao ano transformam uma dívida de R$ 1.000 em R$ 4.500 em 12 meses

último dia do Feirão do Serasa - balanço Previa-se 6 milhões de negociações. Há 10 dias havia apenas 3 milhões
– Ilustração: Marcelo Andreguetti

Pontos-chave

  • Em novembro, 19,13% dos clientes estavam com os pagamentos atrasados em até 90 dias
  • Uma das possíveis causas para o endividamento é o fim do auxílio emergencial

Não pagar a fatura do cartão ou pagar parcialmente pode complicar sua vida, como você já deve saber. Os juros chegam a mais de 350% ao ano, um dos mais altos do mundo. Segundo a economista Dirlene Silva, isso significa que se você deixar de quitar R$ 1.000 em compras, em 12 meses este valor se transforma facilmente em R$ 4.500. Ou seja: mais de 4,5 vezes do valor originalmente devido.

Evite o crédito rotativo

Apesar da recomendação de usar o cartão de forma consciente para evitar o crédito rotativo, nem sempre isso é possível. Dados do Banco Central mostram que, em novembro, 19,13% dos clientes que usaram o rotativo estavam com os pagamentos atrasados entre 15 e 90 dias. No mesmo período em 2020, o percentual estava em 9%. O índice de atrasos só não é pior do que o registrado em maio de 2015, quando 19,18% dos clientes estavam atrasados.

Uma das possíveis causas para o endividamento é o fim do pagamento do auxílio emergencial de R$ 600, então, em vigor em 2020. Com a instabilidade econômica e sem melhora de renda, o atraso dos pagamentos se abateu sobre muitas famílias.

“Desde que a pandemia começou, assistimos a inúmeras situações que levam ao endividamento, como perda de renda, desemprego, morte ou adoecimento de um familiar, divórcios. A falta de planejamento financeiro está longe de ser o principal vilão do endividamento”, observa Paula.

Entre a população de baixa renda, as modalidades de cartão de crédito à vista e de cartão de crédito parcelado e rotativo somam os maiores volumes do crédito total usado em 2021, de acordo com cenário agregado observado no Relatório de Cidadania Financeira.

Cuidado com o pagamento mínimo

O pagamento mínimo do cartão de crédito pode ser uma boa saída, mas, se usado de forma errada, se torna uma armadilha. O ideal é controlar os gastos, não tem outra alternativa. Até porque, pagando o mínimo, você tem os juros altos. Desta forma, o pagamento mínimo só é uma opção se você tem certeza que conseguirá quitar a conta inteira no mês seguinte. Caso contrário, fuja dele.

Com reportagem do Valor Investe


Você também pode gostar
Henrique Silva Publicado em 20.maio.2022 às 16h51
Dinheiro deve ser assunto logo no primeiro encontro?

Caso da jornalista que recebeu planilha de gastos do "date" tem muito a ensinar

JOTA Atualizado em 21.maio.2022 às 07h47
Análise: Como mitigar os efeitos da inflação no seu bolso?

Correção dos rendimentos pela inflação os leva à faixa superior da tabela progressiva do IR

Redação IF Publicado em 20.maio.2022 às 09h28
Rio ou São Paulo: onde o aluguel é mais barato?

Se for para investir, cuidado. Até a poupança tem rentabilidade melhor do que a locação

Gustavo Zanfer Atualizado em 21.maio.2022 às 07h43
Como montar uma carteira de longo prazo?

É difícil, mas é importante ter uma estratégia financeira para daqui a alguns anos

Listas IF Atualizado em 18.maio.2022 às 17h29 Duração 1 min.
Pense bem antes de gastar no cartão de crédito

O que você pode fazer para gastar com sabedoria (e sem afobação)? Maju Marques dá quatro dicas para cuidar do seu dinheiro

Redação IF Publicado em 16.maio.2022 às 16h08
Por dentro de uma reunião dos devedores anônimos

Irmandade ajuda as pessoas a se livrarem do vício das compras

Redação IF Atualizado em 15.maio.2022 às 09h01
Saque Extraordinário de R$ 1 mil do FGTS: nascidos em maio já podem sacar o dinheiro

Confira como fazer a consulta e saber se você tem direito a tirar até R$ 1 mil da conta do FGTS