Pesquisa Genial/Quaest: Lula mantém liderança; Bolsonaro segue no mesmo patamar

Pesquisa Genial/Quaest divulgada nesta quarta-feira (11) reitera a liderança de Lula e a polarização com Bolsonaro

Urna eletronica eleições 2022
Urna eletrônica. Foto: wikimedia

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) mantém a liderança da corrida presidencial deste ano, com 46% das intenções de voto – dois pontos a mais que um mês atrás -, enquanto o presidente Jair Bolsonaro (PL) segue no mesmo patamar em comparação ao último levantamento, com 29%, mostra pesquisa Genial/Quaest publicada nesta quarta-feira, 11.

No cenário analisado com todos os pré-candidatos, no qual é apresentada uma lista de nomes para a escolha do entrevistado, Ciro Gomes (PDT) aparece em terceiro lugar, com 7%. Ele é seguido por João Doria (PSDB) e André Janones (Avante) com 3%, Simone Tebet (MDB) e Felipe D’Ávila (Novo) com 1% e Luciano Bivar (União Brasil), que não pontuou.

No cenário sem Tebet, Janones ou D’Ávila, Lula oscilou de 45% para 46% das intenções de voto, e Bolsonaro se manteve em 31%. A margem de erro da pesquisa é de dois pontos porcentuais.

No levantamento espontâneo, quando não são oferecidas opções de nomes ao entrevistado, Lula aparece com 28% das intenções de voto e Bolsonaro com 22%.

Os que dizem que irão votar em branco, nulo ou não irão votar somam 6% e os indecisos somam 3%. A margem de erro da pesquisa é de dois pontos percentuais para mais ou para menos e ela foi feita com duas mil pessoas entre os dias 5 e 8 deste mês.

Nas projeções de segundo turno, se a eleição fosse realizada hoje, Lula venceria Bolsonaro por 54% a 34%. No quesito rejeição, Doria e Bolsonaro lideram, empatados em 59%, seguidos de Ciro Gomes com 55% e Lula com 43%.

A pesquisa Genial/Quaest ouviu 2.000 pessoas com mais de 16 anos entre os dias 5 a 8 de maio. A coleta dos dados foi realizada de modo presencial.

Intenção de votos por região

O ex-presidente Lula vence as eleições em quatro regiões do país nas eleições deste ano, menos no Centro Oeste, de acordo com dados da pesquisa Genial/Quaest.

Conforme o levantamento, se o primeiro turno fosse hoje, Lula teria 62% dos votos no Nordeste, contra apenas 20% de Bolsonaro. No Sudeste, o placar passa para  43% a 29% a favor do petista.

No Sul, um dos principais redutos bolsonaristas, Lula ampliou vantagem e vence Bolsonaro com o placar de 40% a 35%, e, no Norte, onde a margem está mais apertada, a vitória do ex-presidente é de 36% contra 34%. Já no Centro Oeste, Bolsonaro tem 48% dos votos, contra 32% de Lula.

Repercussão

Veja como alguns veículos destacaram os resultados da pesquisa.

A pesquisa foi registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o protocolo BR-01603/2022.


Você também pode gostar
JOTA Atualizado em 14.maio.2022 às 06h53
ANÁLISE: Bolsonaro tenta se blindar de desgaste político causado por aumento no diesel

Presidente resolveu lançar mão de um pacote de medidas políticas para fazer frente à alta dos combustíveis

Redação IF Publicado em 13.maio.2022 às 07h25
Meta anuncia força-tarefa para combater desinformação e disparos em massa na eleição

Centro de Operações para Eleições vai operar durante os dois turnos do pleito

Redação IF Publicado em 12.maio.2022 às 07h50
Parecer do Cade sobre Petrobras pode ajudar governo a cortar até 15% no preço de diesel e gasolina

Decisão do órgão de defesa da concorrência pode permitir alinhar preços da estatal aos custos de exportação de combustíveis em vez dos de importação

JOTA Publicado em 11.maio.2022 às 14h57
Bolsonaro merece continuar na Presidência? Mais da metade dos brasileiros diz que não

Proporção dos que responderam de forma negativa sobre segundo mandato foi de 62% em abril e caiu para 58% em maio

JOTA Atualizado em 10.maio.2022 às 16h53
Análise: Mesmo sem golpe, a democracia brasileira refluiu

Levantar suspeitas de fraude nas eleições não é trivial e provoca piora na avaliação democrática geral

JOTA Atualizado em 09.maio.2022 às 21h32
Governo prepara redução a zero de tarifa de importação de 11 produtos, incluindo aço

Administração Bolsonaro tem apostado em desonerações para tentar conter a inflação